Crédito ao consumo acelera em setembro para quase 539 milhões de euros

Após uma pausa em agosto, a concessão de crédito ao consumo voltou a acelerar em setembro, apesar da quebra no segmento de crédito para comprar carro. Os bancos concederam quase 539 milhões de euros.

A concessão de crédito ao consumo voltou a acelerar em setembro. Após uma pausa em agosto, foi retomada a tendência de crescimento que se vivia desde o início da pandemia. No total, os bancos e as financeiras disponibilizaram 538,53 milhões de euros em empréstimos para consumo, de acordo com dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

O dinheiro concedido aos clientes representa um aumento de 6,4% (ou seja 32,4 milhões de euros) em relação ao mês anterior. Em termos de número de contratos, totalizaram 110.163, mais 9,3% que em agosto, sinalizando que as famílias estão a pedir menos dinheiro emprestado em cada contrato.

Apesar da evolução positiva, a concessão de crédito ao consumo continua abaixo dos níveis de 2019. Face a setembro de 2019, o montante contratado cai 15,3% e o número de contratos recua 19,3%.

Crédito automóvel recua

Fonte: Banco de Portugal

No mês depois das férias e do regresso às aulas, o crédito para Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos foi o que mais subiu na comparação mensal: 20,6%. Já o segmento de outros créditos pessoais (que inclui por exemplo artigos para o lar e eletrodomésticos) aumentou 16,7%. Os cartões de crédito também cresceram 16,1% para 89 milhões de euros.

Em sentido contrário, o segmento automóvel é o que impede uma recuperação maior. Em setembro, os portugueses contrataram 240 milhões de euros em crédito automóvel. Esta quantia corresponde a uma redução de 4,1% em comparação com agosto. A redução da concessão foi transversal às diferentes tipologias de financiamento automóvel e atingiu tanto as viaturas novas como as usadas.

Para a aquisição de usados, os portugueses foram buscar quase 162 milhões de euros aos bancos e às financeiras (menos 0,6%). Já para a aquisição de carros novos, o valor concedido foi 49,8 milhões, um corte de 8,5% face a agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito ao consumo acelera em setembro para quase 539 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião