Investidores cautelosos com as vacinas. Boeing ganha mais de 4% à boleia do 737 Max

Os investidores estão mais cautelosos com as notícias das vacinas. No dia em que a Pfizer anunciou que a sua candidata é ainda mais eficaz do que se esperava, as negociações arrancaram mornas.

As bolsas norte-americanas negoceiam em alta ligeira, no dia em que a Pfizer revelou que a vacina que está a desenvolver com a alemã BioNTech, afinal, tem 95% de eficácia a prevenir infeções por Covid-19, acima dos 90% que tinha indicado na semana passada. A farmacêutica planeia pedir aprovação regulatória para a vacina “nos próximos dias”, mas os investidores estão mais cautelosos e aguardam informação mais concreta.

O S&P 500 ganha 0,04%, para 3.611,34 pontos, enquanto o industrial Dow Jones sobe 0,27%, para 29.864,1 pontos. O tecnológico Nasdaq avança 0,01%, para 11.900,37 pontos. Dois dos índices atingiram recordes na segunda-feira, perante a notícia de que também a vacina da farmacêutica Moderna terá quase 95% de eficácia, podendo ser conservada num frigorífico comum, ao contrário da vacina da Pfizer, que tem de ser conservada a uma temperatura inferior a 70 graus negativos, dificultando a sua distribuição.

Face a estas informações, as ações da Pfizer ganham 2,89%, para 37,08 dólares, enquanto os títulos da Moderna recuam 0,25%, para 92,92 dólares. As ações da Johnson & Johnson perdem 0,28%, para 148,93 dólares, numa altura em que se espera que também esta apresente resultados preliminares dos ensaios clínicos da sua vacina experimental, que é diferente das duas anteriores por ser administrada em apenas uma injeção (e não duas).

O destaque da sessão é a Boeing. A fabricante valoriza 4,46%, para 219,42 dólares, no dia em que a Administração Federal da Aviação (FAA) norte-americana deu “luz verde” ao modelo 737 Max para poder voar novamente. Este tipo de avião tinha sido suspenso em março de 2019, na sequência de dois acidentes que tiraram a vida a 346 pessoas, e pode agora regressar aos céus, apesar de a crise pandémica ameaçar arrasar com várias centenas de encomendas à fabricante.

Nota positiva também para as ações da Tesla. A empresa soube esta semana que será integrada no índice S&P 500 já no próximo dia 21 de dezembro. Esta quarta-feira, os títulos da fabricante foram alvo de uma revisão em alta da recomendação do Morgan Stanley, somando agora mais 0,87%, para 445,46 dólares cada título.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores cautelosos com as vacinas. Boeing ganha mais de 4% à boleia do 737 Max

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião