Reino Unido alivia medidas no Natal para facilitar reuniões familiares

  • Lusa
  • 22 Novembro 2020

O primeiro-ministro britânico vai aliviar as medidas restritivas de combate à pandemia no Natal para facilitar as reuniões familiares.

O primeiro-ministro britânico vai aliviar as medidas restritivas de combate à pandemia no Natal para facilitar as reuniões familiares, numa altura em que se anuncia um reforço de três mil milhões de libras para o serviço de saúde.

O alívio das restrições foi confirmado por Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro britânico, adiantou a EFE. Boris Johnson deve detalhar na segunda-feira o seu plano para voltar a instaurar um sistema de três níveis de restrições a partir de 2 de dezembro, o término das medidas de confinamento decretadas em Inglaterra a 5 de novembro.

O novo plano prevê uma pausa em algumas das limitações de cariz social entre 22 e 28 de dezembro, ainda que isso esteja pendente de um acordo para um calendário semelhante com os restantes países do Reino Unido, devendo Boris Johnson entender-se com os Governos autónomos da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, de acordo com a televisão Sky News, citada pela EFE.

Boris Johnson, que permanece em isolamento depois de ter estado em contacto com um deputado que testou positivo, vai explicar como “vão poder ver os seus entes queridos no Natal”, deixando claro que “esta não será uma época festiva normal”, adiantou um porta-voz do executivo. Fora do período natalício, as restrições nas regiões mais afetadas serão mais duras do que as que tinham sido impostas em outubro em Inglaterra.

“Os esforços de todos durante as atuais restrições a nível nacional ajudaram a ter o vírus sob controlo, diminuir a sua expansão e baixar a pressão sobre o sistema público de saúde”, afirmou o porta-voz governamental, acrescentando, no entanto, que o vírus continua presente e que não aplicar restrições regionais poderia levar a um novo descontrolo da situação antes de as vacinas e os testes em massa fazerem efeito.

Entretanto, o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, anunciou um reforço suplementar do financiamento do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) de três mil milhões de libras (3,36 mil milhões de euros) para ajudar o serviço público de saúde a ultrapassar o impacto da pandemia, alertando para o “choque económico” que o país atravessa. Um terço da verba será afeta à recuperação dos atrasos em exames e cirurgias não relacionadas com a covid-19.

De acordo com o ministério, o número de pessoas que aguardavam tratamento há mais de um ano passou de 1.500 em fevereiro para 140 mil em setembro. Centenas de milhões de libras vão ser afetas à saúde mental para “financiar novos serviços para os jovens, recuperar o atraso nos cuidados aos adultos e acelerar o acesso a um apoio psicológico para patologias como a depressão e a ansiedade”, detalhou o comunicado.

Rishi Sunak deve apresentar na próxima semana um plano de despesa para recuperar as finanças nacionais depois da crise, entre os quais o financiamento suplementar ao NHS e um investimento de 100 mil milhões de libras em infraestruturas. Em entrevista ao Sunday Times, o ministro das Finanças alertou, no entanto, que estas somas avultadas terão de ser pagas, pelo que o país “não pode continuar indefinidamente a gastar a este nível”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido alivia medidas no Natal para facilitar reuniões familiares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião