Mota-Engil ganha obras de 125 milhões de euros no Peru

A construtora fechou três contratos no valor global de 125 milhões no Peru com uma "importante empresa mineira privada", dias depois de anunciar outra grande adjudicação em África do Sul.

A Mota-Engil EGL 1,92% fechou três contratos no Peru no valor de 125 milhões de euros. A contratação foi feita por parte de uma “importante empresa mineira privada”, anunciou a Mota-Engil num comunicado enviado à CMVM.

“A Mota-Engil informa sobre a adjudicação, à sua subsidiária Mota-Engil Peru, de três novos contratos por parte de uma importante empresa mineira privada a operar no Peru, no montante total de 125 milhões de euros”, lê-se na nota enviada aos investidores.

De acordo com a empresa, os trabalhos correspondem à construção de uma barragem e sistema de gestão de água, assim como o estudo e construção de um hospital. “Terão início de imediato e um prazo de conclusão de 33 meses”, segundo indica a empresa liderada por Gonçalo Moura Martins.

“Com estas adjudicações, e outras obras de menor dimensão recentemente adjudicadas, a Mota-Engil Peru aumenta a sua carteira de encomendas em cerca de 150 milhões de euros, suportando-se na parceria de longo prazo mantida com as principais empresas mineiras com atividade no Peru, o que potencia a recuperação do volume de negócios do grupo numa região especialmente afetada pela atual crise pandémica”, refere, por fim, o grupo.

Estes contratos no Peru juntam-se a outros que têm vindo a ser anunciados pela Mota-Engil nos últimos meses. Na quarta-feira, o grupo anunciou a adjudicação de uma obra de “perfuração, escavação e transporte” numa mina na África do Sul, no valor de 240 milhões de euros, depois de ter conquistado obras também na Costa do Marfim e em Moçambique. A 31 de agosto, a empresa anunciou também um contrato em Angola, no valor de 298 milhões de euros, para reabilitação de estradas no país.

A 27 de agosto, a Mota-Engil assinou um acordo com a gigante chinesa da construção CCCC para a venda de 30% do seu capital. O grupo foi avaliado então em 750 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil ganha obras de 125 milhões de euros no Peru

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião