Nestlé investe 3 mil milhões até 2025 para acelerar neutralidade carbónica

Na segunda metade da década, até 2030, a Nestlé promete plantar 200 milhões de árvores e abastecer 50% dos seus ingredientes (14 milhões de toneladas) através de agricultura regenerativa.

Depois de em setembro ter anunciado a ambição de ser neutra em carbono em 2050, a gigante multinacional suíça Nestlé tornou público esta quinta-feira o roadmap para chegar a este objetivo a meio do século: já em 2025 quer reduzir as emissões em 20% e em 2030 travar os gases poluentes para metade. Isto face a 2018, ano em que a empresa contabilizou emissões totais de gases com efeitos de estufa de 113 milhões de toneladas de CO2 equivalente.

Outras metas intermédias no curto/médio prazo, já até 2025, incluem:

  • Plantar 20 milhões árvores por ano;
  • Cadeia de abastecimento primária 100% livre de desflorestação até 2022;
  • Substituir a frota global de veículos por opções com emissões reduzidas até 2022;
  • Óleo de palma certificado 100% sustentável em 2023;
  • Cacau e café certificados 100% sustentáveis em 2025;
  • Abastecer 20% dos ingredientes-chave através de métodos de agricultura regenerativa até 2025;
  • Cortar para um terço o uso de plástico virgem nas embalagens até 2025;
  • Embalagens 100% recicláveis ou reutilizáveis até 2025;
  • Eletricidade 100% renovável em todos os escritórios e fábricas em 2025;
  • Tornar a Nestlé Waters neutra em carbono até 2025;

Na segunda metade da década, até 2030, a Nestlé promete plantar 200 milhões de árvores e abastecer 50% dos seus ingredientes (14 milhões de toneladas) através de agricultura regenerativa (protege os solos e defende a biodiversidade), além de usar 100% de energia de origem renovável nas suas fábricas.

Como signatária do compromisso da Organização das Nações Unidas “Business Ambition for 1.5°C’”, em setembro de 2019, a Nestlé é assim uma das primeiras empresas a partilhar um plano detalhado, com prazos definidos (e antes do previsto), para reduzir as suas emissões pela metade até 2030 e atingir a neutralidade carbónica até 2050. Ao mesmo tempo que mantém o crescimento da empresa.

O presidente da Nestlé, Paul Bulcke, disse: “O Conselho de Administração da empresa reconhece a importância estratégica de tomar medidas decisivas para enfrentar e travar as alterações climáticas. Este roadmap acelera e amplia o nosso trabalho para garantir o sucesso da empresa a longo prazo e contribuir para um futuro sustentável para as próximas gerações vindouras”.

Na apresentação deste roadmap, num evento global transmitido online para todo o mundo esta quinta-feira, Mark Schneider, CEO da Nestlé, falou na necessidade em acelerar o passo e manter a transparência. “Os consumidores estão dispostos a pagar por produtos premium com uma baixa pegada carbónica”, disse o CEO, garantindo no entanto que os preços dos produtos Nestlé não vão aumentar com esta aposta na sustentabilidade. “Vamos desenvolver as gamas premium, mas o que era acessível vai continuar acessível”.

Schneider sublinhou também o investimento de 3 mil milhões de euros nos próximos cinco anos para acelerar o cumprimento das metas agora definidas, incluindo uma fatia de 1,1 mil milhões de euro para promover a agricultura regenerativa em toda a cadeia de abastecimento da empresa. A Nestlé sublinha que estes investimentos serão financiados principalmente por via da eficiência estrutural e das operações (OPEX), e não tanto por via de injeções de capital dos investidores (CAPX), para “manter neutros os ganhos desta iniciativa”.

“Enfrentar as alterações climáticas é algo que não pode esperar. É fundamental para o sucesso a longo prazo dos nossos negócios”, disse Mark Schneider, CEO da Nestlé, acrescentando: “Temos uma oportunidade única de agir, já que operamos em quase todos os países do mundo e temos o tamanho, a escala e o alcance para fazer a diferença. Vamos trabalhar em conjunto com agricultores, parceiros da indústria, governos, organizações não-governamentais e os consumidores para reduzir a nossa pegada ambiental”.

O trabalho da Nestlé para chegar à neutralidade carbónica em 2050 abrange três áreas principais:

  • A empresa está já a trabalhar com mais de 500.000 agricultores e 150.000 fornecedores para os apoiar na implementação de métodos de agricultura regenerativa. Essas práticas têm como objetivo melhorar a saúde dos solos, manter e restaurar diversos ecossistemas. Em troca, a Nestlé oferece recompensas aos agricultores com a compra dos seus produtos com prémios associados.
  • Nas suas operações, a Nestlé espera concluir a transição para 100% de eletricidade renovável em 800 dos seus locais (edifícios, fábricas, entre outros) nos 187 países onde opera, nos próximos cinco anos. A empresa irá reduzir e compensar todas as viagens de negócios até 2022. Vai também poupar água nos processos industriais e combater o desperdício alimentar.
  • Dentro de seu portfólio de produtos, a Nestlé está a expandir a sua oferta de alimentos e bebidas de origem vegetal, reformulando os produtos para torná-los mais amigos do ambiente. Está também a aumentar o número de marcas “neutras em carbono”: Garden Gourmet, Garden of Life, Sweet Earth, Nespresso, S.Pellegrino, Perrier e Acqua Panna.

Magdi Batato, vice-presidente executivo e chefe de operações, disse: “Com quase dois terços das nossas emissões provenientes da agricultura, é claro que a agricultura regenerativa e o reflorestamento são os pontos focais do nosso caminho para a neutralidade carbónica. Esses esforços irão reduzir as emissões e melhorar a biodiversidade em grande escala. Também continuaremos a eliminar as emissões das nossas operações e a fazer melhorias no nosso portefólio de produtos”.

Estas metas da Nestlé para a redução de emissões poluentes foram aprovadas pela iniciativa Science Based Targets (SBTi), em conformidade com os níveis necessários para cumprir as metas do Acordo de Paris. A empresa comprometeu-se a fornecer atualizações anuais sobre o roadmap agora apresentado de modo a garantir a transparência do progresso.

A Nestlé está também a investir forte em Investigação e Desenvolvimento (I&D) para criar plástico alimentar reciclado, que cumpra todas as regras de segurança. A multinacional suíça quer ser neutra em carbono em 2050 e assumiu também o compromisso de tornar as suas embalagens 100% recicláveis ou reutilizáveis até 2025. Atualmente, 87% das embalagens da Nestlé já são recicláveis ou reutilizáveis. Em Portugal, a empresa tem vindo a trabalhar as embalagens do seu portefólio de produtos de forma a torná-los 100% recicláveis ou reutilizáveis.

Desde o início de 2020, a Nestlé Portugal, que é também membro fundador do Pacto Português para os Plásticos, já reduziu a utilização de plástico virgem em 2,5 toneladas. No último ano e meio, esta redução ascende a 150 toneladas de plástico que deixaram de ser consumidas.

A fábrica de café do Porto quer ser a mais sustentável do grupo e já vai no bom caminho: só usa energia elétrica 100% proveniente de fontes renováveis e não envia quaisquer resíduos para aterro. “É uma fábrica inovadora na sustentabilidade e nos materiais recicláveis vai à frente das outras por ser mais pequena e mais ágil”, diz Rui Vieira, diretor da unidade.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nestlé investe 3 mil milhões até 2025 para acelerar neutralidade carbónica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião