Operadoras impedidas de cortar serviços até ao fim do semestre

Entrou em vigor a 1 de janeiro a lei que impede as operadoras de cortarem o serviço aos consumidores mais desprotegidos até ao final do semestre. São também permitidas rescisões unilaterais.

As operadoras de telecomunicações estão novamente impedidas de suspenderem o serviço aos clientes que estejam em falta no pagamento das faturas. A medida entrou novamente em vigor a 1 de janeiro e manter-se-á durante todo o semestre, visando proteger os consumidores em situação de desemprego, com quebras de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20% ou que estejam infetados com Covid-19.

Esta é uma das medidas aprovadas pela Assembleia da República para proteger os consumidores portugueses e que abrange outros serviços essenciais, como, por exemplo, a eletricidade. No caso concreto das comunicações eletrónicas, a Anacom divulgou uma nota esta quinta-feira, na qual recorda que foram alargadas as medidas de “proibição de suspensão de serviços” pelas operadoras de telecomunicações e a possibilidade de cancelamento unilateral de contratos sem penalização.

Que medidas estão em vigor?

  • Proibição de corte de serviço. Desde logo, a Anacom recorda que “durante o primeiro semestre de 2021 não é permitida a suspensão do fornecimento de serviços de comunicações eletrónicas por falta de pagamento, quando esta for motivada por situações de desemprego, quebra de rendimento do agregado familiar igual ou superior a 20% ou por infeção pela doença Covid-19”.
  • Possibilidade de rescisão unilateral. A Anacom indica também que, neste período, os consumidores que preencham estas condições podem ainda “pedir o cancelamento dos seus contratos de comunicações eletrónicas, sem que haja lugar a compensação ao operador, ainda que esteja a decorrer o período de fidelização”.
  • “Equidade” na regularização de dívidas. “No caso de existirem valores em dívida relativos a serviços de comunicações, o operador e o cliente devem definir, por acordo e em tempo razoável, um plano de pagamento adequado aos rendimentos atuais do consumidor”, explica a Anacom.
  • Maior flexibilidade na retoma de contratos suspensos. Os consumidores no desemprego ou que preencham as condições acima referidas podem também “pedir a suspensão temporária dos seus contratos”, sem penalizações nem cláusulas adicionais, assegura o regulador. Quando tal acontece, os contratos serão automaticamente retomados a 1 de janeiro de 2022, ou em data a acordar entre as partes.
  • Reativação dos serviços suspensos entre 1 de outubro e 31 de dezembro de 2020. Segundo a Anacom, os clientes que tenham visto os seus serviços serem suspensos neste período, podem pedir agora, à operadora, a reativação dos mesmos, “sem custos”, desde que tenham sido “verificadas as situações de desemprego”, quebra de rendimentos ou infeção por Covid-19, e “tenha sido acordado um plano de pagamento para quaisquer valores em dívida relativos ao fornecimento desses serviços”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operadoras impedidas de cortar serviços até ao fim do semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião