Empresas dos municípios que fecham às 13h produzem 98,6% da riqueza do país

Os 25 municípios que este fim de semana ficam "abertos" para lá das 13h criam apenas 1,4% da riqueza do país. Os restantes 253 municípios, que produzem 98,6% da riqueza, têm de "fechar" às 13h.

Perante o aumento significativo do número de infeções identificadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o Governo decidiu apertar as regras este fim de semana: todos os municípios, exceto os 25 que estão em risco moderado, ficam obrigados a recolhimento obrigatório a partir das 13h este sábado e domingo, sendo proibida a circulação entre concelhos.

Tudo indica que esta medida é apenas o início do aumento das restrições a nível nacional por causa da pandemia. O primeiro-ministro já admitiu medidas “tipo” as de março do ano passado, quando o vírus chegou a Portugal, o que implicará uma maior disrupção económica face à que já existe desde novembro.

Para já, este fim de semana, os 253 municípios que terão recolhimento obrigatório a partir das 13h correspondem a 91% dos concelhos (278) em Portugal Continental (as regras para as regiões autónomas são ditadas pelos respetivos Governos). Em termos de riqueza produzida pelo país, o número é ainda mais expressivo: as empresas desses municípios criam 98,6% da riqueza anual do país, tendo em conta dados de 2018.

O indicador, utilizado para chegar a esta conclusão, é o valor acrescentado bruto (VAB) das empresas por município, cujos dados anuais são compilados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O VAB corresponde ao valor da produção dessa empresa menos o valor das matérias-primas e produtos intermédios adquiridos a outras empresas.

O VAB dos 253 municípios corresponde a 94,5 mil milhões de euros, num total nacional de 95,8 mil milhões de euros. Os 25 municípios que escapam a esta regra, por estarem no risco moderado, têm um VAB de 1,3 mil milhões de euros, o equivalente a 1,4% do VAB de Portugal Continental.

A maior parte dos 25 municípios que escapam à regra têm um VAB relativamente baixo, à exceção de Sines e Lagoa que têm VAB mediano, em termos nacionais. Como se pode ver pelo mapa, estes municípios tanto estão no norte, como no centro e sul, mas têm uma maior incidência no Alentejo litoral.

Em comparação com o início de novembro, altura em que esta medida foi alargada de três municípios (Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira) para 121, o impacto económico é agora bem superior. Tal como o ECO escreveu, esse alargamento das restrições afetou as empresas dos municípios que produzem 80% da riqueza do país, também tendo como referência o VAB.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas dos municípios que fecham às 13h produzem 98,6% da riqueza do país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião