Debates com André Ventura lideram audiências nos frente-a-frente das Presidenciais

Os três debates das Presidenciais mais vistos foram com André Ventura. O frente-a-frente do líder do Chega com Marcelo Rebelo de Sousa foi mesmo o debate político mais visto desde 2012.

O debate entre André Ventura e Marcelo Rebelo de Sousa foi o mais visto destas Presidenciais, tendo sido acompanhado por mais de dois milhões de portugueses na SIC e na SIC Notícias. Na noite de 6 de janeiro, quando foi emitido, mais de 36% dos portugueses que estavam a ver televisão encontravam-se a assistir à disputa entre os dois candidatos.

O ECO pediu à RTP, SIC e TVI os dados das audiências dos debates televisivos, emitidos ao longo da semana passada entre os vários candidatos, mas também do debate entre os sete candidatos, emitido pela estação pública no início desta semana. Os dados, que o ECO compilou por ordem decrescente de audiência média, mostram quais mereceram maior interesse da parte dos espectadores.

No caso do debate entre André Ventura e Marcelo Rebelo de Sousa, foi também o debate mais visto desde 2012, como chegou a avançar a Impresa num comunicado. “O frente-a-frente entre Marcelo e Ventura foi o debate político mais visto desde que existe o novo painel da GfK, iniciado em 2012”, aponta o grupo que controla a SIC e SIC Notícias.

Audiências dos debates das Presidenciais:

Fonte: RTP, SIC e TVI

André Ventura figura também na segunda posição, com o debate com Marisa Matias a ser visto por 1,75 milhões de portugueses e a conquistar 31,5% de share. Na terceira posição está o debate entre o líder do chega e a socialista Ana Gomes, assistido por 1,476 milhões de espectadores.

O debate entre os sete candidatos a Belém só surge na nona posição da tabela. Foi visto por mais de meio milhão de espectadores num simultâneo entre a RTP e a RTP3 e conquistando 13,6% de quota no total.

Na última posição, com o pior desempenho nas audiências, esteve o debate entre o candidato do PCP, João Ferreira, e o candidato da Iniciativa Liberal, Tiago Mayan Gonçalves, acompanhado por pouco mais de 60 mil espectadores e conseguindo 1,22% de share.

Os dados cedidos ao ECO pelas televisões são recolhidos pela GfK para a Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM). Uma melhor ou pior performance nas audiências não se traduz, necessariamente, num melhor ou pior desempenho nas urnas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Debates com André Ventura lideram audiências nos frente-a-frente das Presidenciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião