Hoteleiros algarvios cautelosos com retirada de Portugal da “lista vermelha” britânica

  • Lusa
  • 16 Março 2021

O Reino Unido tirou Portugal da "lista vermelha", mas os hoteleiros algarvios preferem manter-se cautelosos por enquanto.

Os hoteleiros algarvios mostraram-se esta segunda-feira cautelosos em relação às consequências para o Algarve da decisão do Governo britânico em retirar Portugal da “lista vermelha” de países cujos viajantes estão sujeitos a quarentena em hotéis no Reino Unido.

“Ainda é muito cedo, vamos esperar para ver. Essa lista vermelha diz respeito apenas às pessoas que regressem ao Reino Unido, onde o desconfinamento só acontece a 17 de maio”, disse à Lusa o presidente da Presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

Para Elidérico Viegas a decisão vai beneficiar acima de tudo “quem trabalha em Inglaterra e quer regressar ao seu país” e, eventualmente, quem tenha “uma segunda residência” no Algarve, recordando que Portugal “ainda não recebe voos do Reino Unido”. “Estamos a especular muito, as nossas previsões para este ano são essencialmente de procura interna, com alguma procura externa, que acabará por existir, mas vamos com calma, porque o transporte aéreo não está completamente assegurado”, realçou.

O Reino Unido anunciou esta segunda-feira que vai autorizar os voos diretos e retirar Portugal da “lista vermelha” de países cujos viajantes estão sujeitos a quarentena em hotéis no Reino Unido a partir de sexta-feira. Todavia, as ligações aéreas não deverão ser retomadas imediatamente, já que o Governo português prolongou até 31 de março a suspensão dos voos, comerciais ou privados, com origem ou destino no Reino Unido e Brasil.

Apesar deste alívio das restrições, o regime de confinamento devido à pandemia de covid-19 mantém-se em Inglaterra, pelo que continua a ser proibido viajar sem justificação válida, como férias, e a circulação está essencialmente limitada a nacionais e residentes dos dois países.

Para Elidérico Viegas ainda há “muitos fatores de incerteza em cima da mesa” e apesar do desejo para que o turismo possa reabrir, alertou que “isso não vai acontecer de um momento para o outro”. “Essas coisas requerem alguma paciência porque esta situação não se vai resolver com um estalar de dedos, nem com declarações de boa vontade”, apontou.

O dirigente da maior associação hoteleira algarvia realçou que se o desconfinamento se mantiver como previsto, Portugal vai ter de “montar uma logística” que permita que os turistas realizem testes à covid-19 antes de regressarem ao seu país, essencial para que não tenham de entrar em quarentena.

No entanto, sublinhou, há ainda dúvidas sobre “quem vai pagar os testes, quanto custam e quem os vai fazer”. Outro aspeto a ter em conta é a confiança dos turistas, já que o Reino Unido estima ter a população vacinada “até ao final de maio” e Portugal apenas “no final de setembro”, concluiu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hoteleiros algarvios cautelosos com retirada de Portugal da “lista vermelha” britânica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião