Juan Miguel Estallo: CEO da Liberty Europa estuda aquisições

O crescimento orgânico do ramo europeu não vai ser suficiente para as ambições da companhia que vai definitivamente para teletrabalho com aprovação de 99,2% dos colaboradores.

Juan Manuel Estallo, CEO da Liberty no mercado europeu: “Se os segurados querem 15 coberturas por que hão de pagar por 45?”

O ramo europeu da seguradora Liberty está a estudar aquisições de companhias de seguros revelou Juan Miguel Estallo, o CEO que entrou para o cargo há 4 meses, em conferência de imprensa realizada esta quarta-feira. A gigante norte-americana, que tem a operação europeia baseada em Espanha, abrange ainda os mercados de Portugal, Irlanda e Irlanda do Norte.

Num primeiro balanço à posta numa profunda reorganização, Estallo afirmou que 99,2% dos colaboradores da companhia aderiram ao teletrabalho incentivados por um apoio inicial de 460 euros e por um subsídio de 55 euros mensais, valores comum a todas as quatro regiões sob gestão europeia.

Em relação a eficiência, o CEO refere que o facto de se estar a trabalhar de forma digital a 100% e na Nuvem, permitiu “mudar a maneira de trabalhar”, a par com o lançamento de serviços e produtos modulares e uma boa adaptação às modificações de negócios trazidas pela Covid, como o click and collect.

Crescer através da rede de mediação vai continuar a ser uma aposta em Portugal, mercado onde a quota deste canal é significativa, disse Estallo, salientando um esforço grande de digitalização durante o último ano.

Para Juan Manuel Estallo a Liberty dotou os mediadores de ferramentas e apoiou, até financeiramente, os profissionais durante a pandemia e vai continuar fazê-lo, disse. Também aludiu ao facto de a Liberty estar a apresentar produtos modulares e multi-tarifas, permitindo uma oferta mais completa. Desta estratégia resulta uma competitividade de preços, disse, “se os segurados querem 15 coberturas por que hão de pagar por 45”, questionou.

A consolidação bancária, principalmente a que se verifica em Espanha, torna “o mercado cada vez mais reduzido”, referiu o CEO a propósito de acordos de bancassurance . O canal direto vai seguir um desenvolvimento normal.

Com a transferência para teletrabalho e Liberty vai deixar de precisar de todos os espaços que ocupa nos quatro países onde opera na Europa. No entanto, Juan Manuel Estallo que, embora com menos viagens, continua a ser um local a manter para os colaboradores se juntarem, a bem da “criatividade e da inovação”.

O CEO ainda foi questionado sobre a espanholização da Liberty na Europa e respondeu dizendo que “onde há talento as empresas crescem, inovam e reorganizam-se, seja qual for o país onde estão”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juan Miguel Estallo: CEO da Liberty Europa estuda aquisições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião