Faturação da Samsung cresce 7% em 2021 em Portugal para 392,8 milhões

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2022

Faturação da Samsung Portugal cresceu 7% em 2021, "o que se traduziu no ano recorde de sempre" da marca.

A faturação da Samsung Portugal cresceu 7% em 2021, em termos homólogos, para 392,8 milhões de euros, “o que se traduziu no ano recorde de sempre” da marca, afirmou Nuno Parreira, responsável da divisão mobile da subsidiária.

Em 2021, “atingimos perto de 400 milhões de euros [na Samsung Portugal], o que se traduziu no ano recorde de sempre em Portugal”, destacou, em declarações à Lusa, o responsável pela divisão do segmento móvel (head of mobile division) da Samsung Portugal. Mais concretamente, a Samsung Portugal registou uma faturação de 392,8 milhões de euros, valor que compara com 365,8 milhões de euros em 2020 — evolução de cerca de 7%.

Quanto à faturação da área ‘mobile’, Nuno Parreira escusou-se a avançar dados. “Só posso dar dados da Samsung Portugal”, mas “posso dizer que temos uma posição expressiva e contribuímos também com ano recorde, ou seja, a nossa área também teve um ano recorde de faturação” em 2021, sublinhou o responsável.

O peso do segmento ‘mobile’ na Samsung Portugal é “acima dos 50%” e a quota de mercado de telemóveis da marca em Portugal, citando dados da consultora IDC do terceiro trimestre, é de 41%, com “crescimento notório” face a 2020, traduzindo-se num “recorde de vendas”. Nuno Parreira espera que os dados do quarto trimestre indiquem um reforço da quota de mercado.

A Samsung Portugal faz em setembro 40 anos: “Somos a subsidiária, a par da Alemanha, mais antiga da Europa e é com muito orgulho que estamos a comemorar” em 2022 “o quadragésimo aniversário”, sublinhou. “Esperamos mais um ano em grande”, depois de a atividade em 2021 ter corrido “muito bem”, prosseguiu Nuno Parreira.

Os obstáculos e os problemas “com que nos deparámos no mercado transformámos em oportunidades e aproveitámos este momento pouco mais atípico do mercado para poder, de facto, mostrar algumas das vantagens que a Samsung tem no mercado, não só a nível de produto, mas também na sua forma de atuar, de gerir o negócio, pensar e planear o futuro, em que realmente fomos bem sucedidos e traduziu-se no ano recorde em Portugal”, contou o responsável da área ‘mobile’ da marca.

Para este ano, a Samsung Portugal tem uma expectativas positivas. “Estamos a saber usar a pandemia como oportunidade” e este ano “vamos querer desafiar-nos e ao mercado em si, desafiar também a nossa base de clientes e dos que estão noutros concorrentes para garantir e obter a confiança deles”, apontou.

“Penso que vamos viver ainda um ano de pandemia” e, por isso, todas as questões relativas à tecnologia irão continuar a ser procuradas porque “vemos cada vez mais o mercado ávido de tecnologia” e de “tecnologia ‘premium’, o que significa que se torna um ano de oportunidade para a Samsung”, sublinhou Nuno Parreira.

“Queremos desenvolver e temos oportunidades de crescimento, como é o mercado ‘online’, também temos categorias emergentes como as de ‘foldable’ [telemóvel dobrável]”, bem como “temos outros tipos de oportunidades como os fundos PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] para transformação digital”, salientou.

O telemóvel ‘foldable’ da Samsung “é uma grande aposta”, mas é um “nicho”, embora tenha em Portugal “já alguma expressão”, valendo “10% das nossas vendas ‘premium'”, disse Nuno Parreira.

A Samsung tem como aposta o crescimento e a diferenciação no mercado português: “Achamos que os produtos dobráveis, além de outras inovações tecnológicas, têm de ser colocados no topo da pirâmide de importância da Samsung no desenvolvimento da sua estratégia local e internacional porque é uma fonte de força de marca e, principalmente, fonte de recrutamento de clientes” e é no “‘foldable’ onde conseguimos recrutar” à concorrência.

O peso vendas ‘online’ da Samsung em Portugal “ronda os cerca de 30%” atualmente, avançou Nuno Parreira, salientando que se estima que este “terá mais do que duplicado nos últimos dois anos”. Questionado sobre quanto gostaria de crescer este ano no mercado português, o responsável da Samsung Portugal foi perentório: “Acima do mercado”.

Ou seja, “prevemos que o mercado estará a crescer entre 5% a 7% este ano”, pelo que o objetivo é crescer “acima do mercado no sentido de ganhar quota, essa é a nossa grande intenção”, disse. Crescer acima do mercado no segmento ‘premium’ é outro dos objetivos da tecnológica. Já sobre o 5G, Nuno Parreira destacou que “é uma grande oportunidade” para a marca em Portugal.

“A Samsung é líder de mercado no 5G, no final do ano terminámos, a nível de quantidades, líderes de mercado. Cerca de 50% do mercado já é 5G”, salientou. “Tendo a Samsung o maior portefólio de 5G no mercado e líder 5G no mercado mundial tudo indica que será um fator de oportunidade para nós em Portugal, poderá ser também um dos pilares para o crescimento da Samsung” no mercado português, acrescentou.

A subsidiária portuguesa da multinacional sul-coreana conta atualmente com cerca de 70 colaboradores. Questionado sobre se admite contratar este ano, Nuno Parreira afirmou: “Admito, num cenário de crescimento, recrutar mais pessoas, poderemos também abrir áreas de negócios diferentes”.

A segurança é uma área onde a Samsung Portugal tem vindo a trabalhar “há muitos anos”, inclusivamente com o gabinete do Centro Nacional de Cibersegurança (CNSC). “Somos a única marca certificada, temos produtos certificados no gabinete nacional de segurança”, destacou.

Sobre a crise dos semicondutores, Nuno Parreira salientou que isso afetou “todos de igual forma”, mas no caso da Samsung o impacto não foi tão grande, já que o grupo “é um dos líderes” desta área. O responsável recordou que a tecnológica produz a “maior parte” do seus produtos “com componentes Samsung”, além de ter uma “gestão da cadeia de abastecimento muito alinhada” e “muito avançada”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Faturação da Samsung cresce 7% em 2021 em Portugal para 392,8 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião