Direto Combustíveis caros são “preço a pagar pela democracia”, sugere Kamala Harris

  • ECO
  • 11 Março 2022

De visita oficial à Roménia, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, sugeriu que combustíveis mais caros é preço a pagar para castigar Rússia. Tropas atacam cidades de Lutsk e Dnipro.

Com o fracasso da via diplomática, não foi possível acordar um cessar-fogo e a Rússia está a cercar várias cidades ucranianas. As cidades de Lutsk no noroeste, perto da fronteira polaca, e de Dnipro foram atacadas esta sexta-feira.

São cada vez mais as empresas que, por iniciativa própria, têm cortado laços com a Rússia. A Navigator é apenas um dos exemplos mais recentes, assim como a Herbalife. A Cargill, por sua vez, optou por ficar.

As consequências económicas do ataque da Rússia à Ucrânia vão-se aprofundando. O FMI já admite rever em baixa as suas projeções para o crescimento mundial, que começa a recuperar do impacto da pandemia de Covid-19, e admite que a Rússia possa mesmo entrar em default.

Com os combustíveis em preços recorde, Kamala Harris, vice-presidente dos EUA, sugeriu que esse é o preço a pagar para castigar a Rússia: “Existe um preço a pagar pela democracia”, afirmou, a partir da Roménia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Combustíveis caros são “preço a pagar pela democracia”, sugere Kamala Harris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião