Economistas do BCE dizem que é possível baixar a dívida sem asfixiar o PIB

  • ECO
  • 22 Março 2022

Economistas do Banco Central Europeu defendem que regra da despesa devia incorporar o objetivo de inflação de 2%.

As regras orçamentais da União Europeia, que foram suspensas devido à pandemia, estão a ser revistas e quatro economistas do Banco Central Europeu (BCE) defendem que é possível criar uma regra orçamental para reduzir o endividamento, sem impedir os países de investir, de acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago).

A chave estaria na inflação, para a qual se passava a ter o objetivo de 2%. Além disso, os responsáveis defendem que os limites definidos em 3% para o défice, e de 60% para a dívida poderiam manter-se, mas operacionalizados de forma diferente. O ritmo de correção seria mais lento, passando dos atuais 5%, para uma redução de 3%.

Já a regra da despesa, que limita o crescimento dos gastos, seria ajustada para que, sendo cumprida, a redução da dívida estaria assegurada. Esta norma passaria, no entanto, a incorporar o objetivo de inflação definido pelo BCE. Desta forma, se a inflação ficasse abaixo deste valor, existiria a possibilidade de acomodar mais gastos. A proposta parte de Sebastian Hauptmeier, Nadine Leiner-Killinger, Philip Muggenthaler e Stephan Haroutunian, no artigo “Regras orçamentais pós-Covid: uma perspetiva do banco central”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Economistas do BCE dizem que é possível baixar a dívida sem asfixiar o PIB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião