Ações dos CTT afundam 6% após quebra nos lucros

Correios anunciaram uma queda de 38% dos lucros e ações estão sob pressão na bolsa de Lisboa: recuam mais de 6% para mínimos de quase um ano.

Os CTT CTT 0,44% estão sob pressão vendedora na sessão desta sexta-feira em Lisboa, com os títulos a caírem mais de 6% para mínimos de quase um ano, depois de ter anunciado uma quebra de 38% dos lucros no primeiro trimestre do ano.

As ações cedem 6,39% para 3,955 euros, o valor intradiário mais baixo desde 20 de maio do ano passado, arrastando o PSI para perdas de cerca de 0,5%, num dia de aversão ao risco na Europa.

A empresa liderada por João Bento anunciou esta quinta-feira que o lucro no primeiro trimestre do ano recuou 38,1% para 5,4 milhões de euros, um desempenho justificado com a redução dos volumes no segmento de Correio e com o abrandamento do negócio de Encomendas e Expresso. O EBIT (resultado antes de juros e impostos) caiu 41,1% para 9,4 milhões de euros.

“Os CTT reportaram resultados fracos”, consideram os analistas do CaixaBank/BPI, assinalando que o EBIT recorrente de cerca de seis milhões ficou abaixo das previsões de 13 milhões do Caixabank/BPI.

CTT em queda

Em relação à área de Encomendas e Expresso, que é uma das alavancas do negócio dos CTT para contrariar a quebra no Correio, os analistas dizem que perdeu o bom momento que vinha registando nos últimos trimestres, com a empresa a justificar este desempenho com o regresso dos consumidores às lojas físicas e o impacto da inflação na confiança dos consumidores, penalizando o e-commerce.

Já o Banco CTT, o outro motor do grupo, teve receitas e um EBIT que superaram as estimativas, na ordem dos cinco milhões e dois milhões, respetivamente.

Apesar de tudo, os CTT reiteraram as perspetivas para 2022, apontando para um EBIT entre 65 milhões e 75 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ações dos CTT afundam 6% após quebra nos lucros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião