Banco Montepio passa de prejuízo a lucros de 23,3 milhões no semestre

Melhor resultado líquido na primeira metade do ano está relacionado com a subida da margem financeira e das receitas com comissões e a redução das provisões e dos custos.

O Banco Montepio alcançou lucros de 23,3 milhões de euros no primeiro semestre do ano, um resultado líquido consolidado que compara “favoravelmente” com os prejuízos de 33 milhões registados na primeira metade do ano passado. A informação foi comunicada esta segunda-feira à CMVM.

A instituição bancária justifica a melhoria com “o progresso registado pelo produto bancário, com destaque para a margem financeira e para as comissões, pela redução dos custos operacionais” e “pelas menores dotações para imparidades e provisões, em particular as relacionadas com o risco de crédito”.

A margem financeira do banco nesse período ascendeu a 120,6 milhões de euros, o que compara com os 114,3 milhões no semestre homólogo. A evolução reflete “o aumento dos proveitos nas aplicações em títulos e tomadas de fundos, parcialmente mitigado pelo menor contributo da margem financeira comercial”.

As comissões renderam 59,6 milhões, mais 4,7 milhões do que no primeiro semestre de 2021. O crescimento é justificado pelos “maiores proveitos” com operações de crédito (um acréscimo de 2,6 milhões de euros), manutenção e gestão de contas (mais 900 mil euros) e serviços de pagamento (500 mil euros).

No agregado, o produto bancário melhorou 6,5% face à primeira metade de 2021. Mas, no sentido inverso, os resultados foram penalizados pelo “acréscimo das contribuições extraordinárias sobre o setor bancário, para o Fundo de Resolução e para o Fundo de Garantia de Depósitos, de, no agregado, 3,2 milhões de euros, para 25,9 milhões no semestre, face aos 22,7 milhões nos mesmos seis meses do ano passado.

Na vertente operacional, o crédito a clientes (bruto) totalizou 12,4 mil milhões de euros, um aumento de 246 milhões, ou 2%, face a 31 de dezembro de 2021, “para o que contribuiu o aumento do crédito a empresas em 195 milhões”, refere a empresa. Os depósitos de clientes totalizavam cerca de 13,04 mil milhões de euros em 30 de junho, mais 3,3% em termos homólogos e 1,9% em cadeia.

Montepio com menos 192 trabalhadores

O Banco Montepio conseguiu também fazer encolher os custos operacionais na primeira metade de 2022. Os gastos caíram de 129,3 milhões para 121,4 milhões, “evidenciando uma redução de oito milhões de euros consubstanciada na redução dos custos com pessoal em 6,8 milhões de euros (-8,5%)”.

Isto é explicado pela “implementação do plano de ajustamento do quadro de colaboradores”, e o banco vai mais adiante: “No âmbito da implementação do processo de ajustamento operacional, o total de colaboradores do Grupo Banco Montepio e de balcões de atividade em Portugal diminuiu, respetivamente, em 192 e em 17 face ao final de junho de 2021.”

Com este plano, o banco já reduziu os quadros em 413 funcionários (-11%) e 74 “balcões geograficamente redundantes” (-23%).

(Notícia atualizada às 8h44 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Banco Montepio passa de prejuízo a lucros de 23,3 milhões no semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião