Diogo Teixeira (AON): “Terrorismo e violência vão aumentar depois da pandemia”

O Risco Político volta a ser analisado no Aon’s Risk Maps. O responsável pelo estudo em Portugal explica as mudanças a esperar.

Diogo Teixeira, manager da AON: ” As queixas reprimidas, a radicalização em linha, o desejo de grupos de se restabelecerem, e mais oportunidades de atingir alvos, tudo parece suscetível de se combinar num cenário de ameaça em deterioração na segunda metade de 2021″.

A vacinação, o alívio das restrições entre fronteiras e o impacto económico e político da pandemia vão gerar um aumento do risco de ocorrerem episódios de terrorismo e de agitação civil mas, para além de um mundo pós-covid, também o risco político aumentou em 2021, devido à inflação nos países em desenvolvimento, ao recuo na implementação de medidas de recuperação verde, e ao alargamento das disparidades no rendimento per capita entre países em desenvolvimento e países desenvolvidos. Estas são conclusões do estudo Aon’s Risk Maps , elaborado pela Aon, uma das maiores empresas mundiais de seguros, mas também de “risco, reforma, saúde e pessoas” que, em conjunto com a Continuum Economics e a Dragonfly, mostra que o risco de terrorismo e de violência política vai aumentar no pós-pandemia. O estudo foca o risco político sob três principais ameaças:

Diogo Teixeira está na Aon desde 2014, é o manager de Working Capital Solutions da AON em Portugal. Licenciado em gestão, esteve na Tranquilidade, Credito y Caucion e Cosec e, conhecendo o estudo em profundidade, foi entrevistado por ECOseguros.

Quais as principais mudanças apontadas no estudo no risco político dos países com que Portugal mais se relaciona quer comercialmente quer do ponto de vista de mobilidade de pessoas?

O estrangulamento social do COVID-19 durou mais tempo do que alguém poderia ter previsto. Este ano, as empresas continuaram a navegar nas complexidades geopolíticas contra o pano de fundo duradouro da pandemia. Tiveram de tomar decisões muitas vezes difíceis para isolar o seu povo e as suas operações contra uma série de ameaças, e antecipamos que estas permanecerão e evoluirão, à medida que a economia global aprende lentamente a gerir – e por fim a ultrapassar – os desafios associados à COVID-19. São estas as principais mudanças em termos de Risco Político que tiveram impactos significativos nas cadeias de fornecimento, no aumento dos preços de forma generalizada e na mobilidade de pessoas.

 

Do ponto de vista dos seguros em geral o risco político pode levar à não cobertura de riscos em determinadas regiões ou países seja qual for o prémio a pagar pelos segurados?

O prémio de seguro contra o terrorismo e a violência política são suscetíveis de ser afetadas pelas mudanças dos locais em risco, independentemente dos prejuízos. As alterações de classificação das perdas são capazes de ser colocadas em quarentena pela geografia e grau de ocupação, permitindo ao mercado do terrorismo e da violência política evitar o endurecimento geral. No entanto continuam a existir oportunidades de preços competitivos mesmo em geografias em dificuldades.

Dinamicamente, quais as grandes regiões mundiais em que o risco político se tem estado a agravar?

Ao longo do ano desde o último Mapa de Risco de Terrorismo e Violência Política anual, houveram 32 alterações na pontuação de risco, das quais 22 foram melhorias. Entre estas foram várias as alterações notáveis aos níveis de risco. O nível de risco para os EUA é, pela primeira vez, elevado, depois de quatro anos a médio prazo, e agora tem os três perigos em vigor para 2021, com a adição do perigo de insurreição. O número de países e territórios que enfrentam algum grau de terrorismo ou risco de sabotagem caiu para 45%. Não foram acrescentados novos riscos de terrorismo e sabotagem, e cinco (todos na Europa e na América Latina) foram eliminados. A pandemia de coronavírus parece ter limitado a ameaça fora das zonas de conflito e dificultado capacidades dos perpetradores. Na maioria das regiões um único país ou um pequeno número de países e territórios são responsáveis por uma maioria significativa dos incidentes terroristas registados nessa região. Estes são as Filipinas na Ásia-Pacífico, Mali e Egipto no Norte de África, Iraque e Síria no Médio Oriente, Afeganistão, Índia e, em menor medida, Paquistão no Sul da Ásia, e Chile e Colômbia na América Latina. Entretanto, na Europa, incidentes em França, Alemanha, Grécia e Reino Unido foram responsáveis por quase todos os ataques em 2020.

Norte de África e Eurásia parecem as regiões mais instáveis?

O norte de África tem também a maior proporção de países que enfrentam algum grau de terrorismo ou risco de sabotagem (100%) e comoção civil (100%) de todas as regiões em 2021, e a segunda maior para a insurreição ou guerra. Tem havido um aumento notável em a percentagem de países e territórios com os três tipos de perigo na região sobre nos últimos cinco anos. A Eurásia tem a maior proporção de países que enfrentam alguma exposição a riscos associados à insurreição ou à guerra, com o número a subir mais de 50% desde 2017. O número de países da região em risco de alguma forma de comoção civil tem também aumentado durante o mesmo período.

Que consequências pode ter esta análise de risco político nas grandes decisões económicas como seja na escolha da localização de projetos de investimento em larga escala?

Os projetos de investimento em larga escala requerem uma análise cuidada de todos os decisores. Onde um dos fatores a ter em conta na escolha da localização da implantação do projeto é o Risco Político. A consequência desta análise fará com que a empresa tenha a perceção real do risco em que incorre ao investir nessa geografia e quais as formas de mitigar e transferir o risco que pode incorrer.

Pode dizer-se que os conflitos externos dos países, com outros países, estão a ganhar maior peso que os conflitos internos, dentro do mesmo país?

Este período que temos vivido tem dado mais visibilidade aos conflitos internos dentro do mesmo país. No entanto a incidência de ataques terroristas parece aumentar nos países mais desenvolvidos, uma vez que as vacinas em massa ajudam os governos a aliviar as restrições locais e internacionais a nível global. As queixas reprimidas, a radicalização em linha, o desejo de grupos de se restabelecerem, e mais oportunidades de atingir alvos, tudo parece suscetível de se combinar num cenário de ameaça em deterioração na segunda metade de 2021.

Enquanto os ataques de quase todos os grupos ideológicos de perpetradores caíram em 2020, a violência jihadista aumentou de facto quase 20% em todo o mundo

Terá o terrorismo abrandado com a pandemia?

Várias tendências em 2020 revelam como a pandemia moldou a atividade terrorista. Mas mostram também até que ponto a COVID-19 tem sido menos relevante, do que os desenvolvimentos políticos, para os grupos militantes maiores e mais organizados. Talvez a tendência mais surpreendente seja que enquanto os ataques de quase todos os grupos ideológicos de perpetradores caíram em 2020, a violência jihadista aumentou de facto quase 20% em todo o mundo.

Qual o peso da questão económica e desigualdade social na análise de risco como este?

O Mapa de Risco Político destaca áreas onde o risco político prevalece e decompõe as fontes de risco, tais como violência política, risco institucional e regulamentar e condições económicas. A desigualdade social está intrinsecamente ligada a questões económicas. Este fator acaba por ter um maior impacto nos países emergentes e fronteiriços do que nos países desenvolvidos. Por exemplo, a distribuição de vacinas COVID-19 será um desafio nestas geografias, tanto por razões financeiras como práticas. As campanhas de vacinação precoce dependerão em parte dos recursos financeiros dos próprios países, devido à lentidão do lançamento da iniciativa COVAX, onde se começam a assistir a alguns focos de contestação social, face à dificuldade de acesso às vacinas e as políticas levadas a cabo nesses países. Podemos concluir que estes fatores têm um peso significativo na análise de risco político.

Recentes acontecimentos como os registados no Afeganistão, posteriores ao estudo, podem influenciar as conclusões atuais? Como?

Os recentes acontecimentos no Afeganistão vêm confirmar as conclusões do Mapa de Risco Político da Aon. O Afeganistão tem uma classificação de risco político global muito elevada, impulsionado pelo risco extremo de violência política. A insurreição talibã continua ativa e representa uma ameaça constante à estabilidade política. Em termos de risco este manteve-se no nível mais elevado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Diogo Teixeira (AON): “Terrorismo e violência vão aumentar depois da pandemia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião