Impressoras 3D do Técnico estão a ajudar a combater a pandemia

Com os hospitais e outras instituições de cuidados médicos a acusarem a falta de material de proteção, há quem responda de forma voluntária às necessidades, juntando a tecnologia à vontade de ajudar.

O Instituto Superior Técnico (IST) em Lisboa está a produzir viseiras impressas em 3D para entregar a hospitais e instituições que tenham falta de material de proteção no tratamento dos doentes infetados com COVID-19. A resposta surgiu de forma voluntária depois do aumento da necessidade deste tipo de materiais ser provocado pelo avanço da pandemia em Portugal.

“No início de março começámos a ter reuniões para discutir o que poderíamos fazer para ajudar na situação crítica que o país atravessa. Fizemos uma série de reuniões com entidades oficiais e percebemos que as viseiras seriam uma ideia interessante, rápida e fácil de concretizar” refere Marco Leite, professor auxiliar no IST do departamento de engenharia mecânica e responsável pelo laboratório para desenvolvimento de produto. O processo começou por envolver a troca de informação com vários médicos e enfermeiros que estão no terreno de modo a fornecer os inputs necessários para a elaboração do modelo que seria usado na impressão em 3D dos suportes das viseiras.

Depois de aprovado o modelo pela comunidade médica, foi feito um apelo dentro da própria comunidade do IST para pôr de pé uma unidade de produção capaz de responder às necessidades deste tipo de material. Às cinco impressoras 3D já existentes no laboratório juntaram-se outras 12 vindas de colegas e alunos de outros departamentos dentro da instituição de ensino.

Instituto Superior Técnico imprime viseiras de proteção em 3D para doar aos hospitais durante a pandemia - 27MAR20
Hugo Amaral/ECO

Neste momento, o IST tem 17 impressoras 3D a trabalhar dia e noite de modo a rentabilizar a capacidade de produção. Desde terça-feira já foram impressos 272 suportes de viseiras para serem entregues nos hospitais. A produção diária tem vindo a subir gradualmente com o contínuo upgrade e otimização de impressão do modelo usado e com a chegada de mais impressoras. Só na sexta-feira a produção chegou às 118 unidades.

Todo o processo assemelha-se a uma linha de montagem. As impressoras estão divididas em duas salas onde é feito o acompanhamento regular da impressão. Depois de impressos, os suportes das viseiras passam por uma espécie de controlo de qualidade onde são limadas as arestas e eventuais imperfeições.

Numa outra sala, no pavilhão central do IST, alguns alunos voluntários recebem os suportes impressos por pessoas/empresas externas que se juntaram a esta rede de colaboração e que ali os vão entregar. Aqui juntam-se os acetatos que vão servir de proteção e posteriormente montados nos suportes. Todo o material é revisto e dividido pelas encomendas que vão seguir para as diversas instituições espalhadas pelo país.

Esta unidade de produção no IST começou por usar recursos próprios mas a procura solicitada por hospitais, centros de saúde e lares de todo o país é tanta que se tornou indispensável alargar a cadeia de colaboração a outras empresas. “Numa primeira fase o objetivo era começar a produzir com material nosso, afeto à investigação. Mas rapidamente percebemos que estávamos com dificuldade em ter material e pedimos à Filkemp, uma empresa portuguesa, que nos disponibilizasse os filamentos de plástico para fazer as impressões dos suportes. Em relação aos acetatos que usamos nas viseiras, estamos a trabalhar com a Staples que está neste momento a fazer uma recolha para nos entregar nos próximos dias” avança Marco Leite.

Instituto Superior Técnico imprime viseiras de proteção em 3D para doar aos hospitais durante a pandemia - 27MAR20
Hugo Amaral/ECO

Neste momento já existem algumas empresas de moldes de injeção que estão a usar uma adaptação do modelo usado nas impressões do IST. A entrada dessas empresas significa o aumento da capacidade de produção para cerca de 80 suportes de viseira por hora. Paralelamente, refere o responsável, “existe uma comunidade de ‘makers’, pessoas que têm impressoras em casa e empresas que têm feito um trabalho extraordinário. Eles estão a fazer o mesmo que nós, comunicam através das redes sociais e fazem a gestão das entregas”.

É com satisfação que o responsável do laboratório vê o esforço das pessoas recompensado. “É uma alegria enorme ver todas as pessoas que nos têm ajudado. São voluntários, são alunos, são professores, são bolseiros. Não existem responsabilidades hierárquicas. Estamos todos aqui numa lógica de ajudar e estamos todos muito preocupados com esta situação terrível e inédita. Estamos todos empenhados em baixar a curva…e baixar a curva é ajudar como podemos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impressoras 3D do Técnico estão a ajudar a combater a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião