Se a crise se agravar em 2021, a aposta das empresas na sustentabilidade vai cair?

São várias as organizações empresariais que apelam ao reforço da sustentabilidade no contexto de uma recuperação pós-Covid-19.

O World Economic Forum (WEF) defende que a crise decorrente da pandemia de Covid-19 nos pode dar a possibilidade de “reset” em alguns setores, como a aviação, saúde, energia e financeiro, devendo proporcionar um momento de reflexão sobre o propósito das organizações nas sociedades onde operam. A maximização do lucro a curto prazo, praticado pelo mundo inteiro nos últimos 40 anos, parece estar a dar lugar, pelo menos em aspiração, à necessidade de as empresas definirem o seu papel como agentes de transformação numa sociedade capitalista. Num artigo no site do WEF pode ler-se que a crise pandémica revelou três aspetos:

  • Sobre o Planeta, ficamos a compreender que a atividade humana está fortemente ligada às alterações climáticas;
  • Sobre as Pessoas, verificamos que não somos todos igualmente resilientes em sociedade;
  • Sobre o Lucro, compreendemos que não conseguimos sobreviver muito tempo sem atividade económica, até porque cerca de 40% dos negócios existentes podem não conseguir reativar-se depois deste desastre;

“Na essência, precisamos de gerir os riscos climáticos, reforçar a nossa presença social e inspirar a atividade económica que cria valor para a humanidade, se queremos criar um mundo que é sustentável e bem equipado para combater as crises que virão”, lê-se no site do WEF.

O World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) tem vindo a recolher os vários artigos que têm sido publicados sobre a importância de nos reinventarmos em prol de um bem comum mundial e humanista. Nesta página pode ver-se os vários artigos escritos por vários CEO e outras personalidades importantes a nível empresarial, onde se defende que a aposta na sustentabilidade deve aumentar, e nunca diminuir.

Em termos práticos como se pode substanciar esta aposta na sustentabilidade, na recuperação imediata pós Covid?

Em Portugal, o Plano de Recuperação e Resiliência nacional (PRR) afirma o seu alinhamento com a prioridade europeia conferida às transições climática e digital, tendo este plano três dimensões: Resiliência, Transição Climática e Transição Digital. Destas dimensões surge a criação de nove roteiros para a retoma do crescimento sustentável e inclusivo.

Fonte: Plano de Recuperação e Resiliência

No que respeita à Transição Climática existem 3 roteiros:

  • Mobilidade sustentável: mobilidade sustentável
  • Descarbonização e bioeconomia: descarbonização da indústria
  • Eficiência energética e renováveis: eficiência energética em edifícios; e hidrogénio e renováveis

Sendo o valor do investimento público nesta frente de 2.888 milhões de euros.

A nível Europeu, na semana passada aumentou-se a meta de 40% para 55% de redução das emissões de CO2 até 2030, reforçando assim a importância da neutralidade carbónica para 2050 a nível europeu. A 9 de dezembro foi também lançado o Pacto Europeu para o Clima, que pretende juntar toda a sociedade em projetos que promovam a neutralidade carbónica.

Se a crise agravar, a aposta na sustentabilidade vai cair? Vai haver tentação para a aposta na sustentabilidade cair, mas também se estão a conseguir colocar os temas ambientais e de equidade na lista das prioridades financeiras e políticas. Todos vamos ser tentados a deixar cair a sustentabilidade, cabe à lei impedir que isto aconteça, cabe à nossa consciência impedir de nos levar nesse caminho, cabe à fiscalidade apostar nos estímulos certos, cabe às escolas ensinar o que é correto.

  • Economista especializada em sustainable and climate finance

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se a crise se agravar em 2021, a aposta das empresas na sustentabilidade vai cair?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião