Eleições: Podem os novos partidos ajudar a mudar Portugal?premium

Os programas do Chega e IL são diferentes, apesar de ambos defenderam uma economia de mercado em que regresse o espírito reformista que os socialistas eliminaram de Portugal.

Esta semana a apreciação dos programas eleitorais continua com os novos partidos que aceitam uma sociedade livre e com uma economia de mercado, Chega e Iniciativa Liberal (IL). Ambos os partidos apresentam um discurso que promete alterar a realidade política nacional e é com essa mensagem que, a pouco e pouco, apresentam uma dinâmica de subida do número de eleitores, premiando o trabalho dos seus deputados únicos durante a última legislatura. No caso do Chega, o seu líder beneficia ainda de ter recebido meio milhão de votos nas últimas eleições presidenciais. Os dois partidos apresentam um orçamento total de 950 mil €, mais modesto do que o proposto pelos partidos da esquerda radical anti-capitalista, sendo maior o investimento do Chega (563 mil €) e menor o da IL (385 mil €). Em termos

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos