O Estado português deve fazer um acordo com a BlackRock e a Pimco

Não deixa de ser impressionante, mas é a realidade. A dívida do Estado português não para de crescer. 

Há duas realidades que não podem ser ignoradas. A primeira mostra que o Estado português está viciado em capital. Simplesmente, não consegue evitar o aumento permanente da dívida pública. De acordo com dados revelados agora, no último ano, a dívida pública aumentou em cerca de 2,4 mil milhões de euros. Neste momento, o Estado deve 246 mil milhões de euros, mais de 125% do PIB. Os anos da austeridade assumida mais os anos da austeridade escondida, ou seja desde 2011 até hoje, não foram capazes de travar o endividamento público em termos absolutos. Não deixa de ser impressionante, mas é a realidade. A dívida do Estado português não para de crescer.

A segunda realidade, quase tão certa como a primeira, é que o BCE irá terminar a sua política monetária actual, só não se sabe quando. Muitos analistas apontam para o fim do ano. Mas, dependendo da evolução política em Itália, poderá terminar apenas no final de 2019, quando Mario Draghi abandonar as suas funções.

Um ponto é certo: Draghi tudo fará para evitar uma crise em Itália ou, não sendo possível, pelo menos limitar a sua dimensão. Quando a política monetária do BCE mudar, haverá menos liquidez nos mercados financeiros e os juros ficarão mais altos. Estas mudanças levarão os bancos portugueses a comprar menos dívida pública. De resto, não é possível manter os níveis de aquisição de dívida pública pelos bancos nacionais nos níveis do ano passado. Os bancos não terão capacidade para isso e vai contra a estratégia europeia pós-crise de separar o sector bancário das dívidas soberanas. Em 2019, a dívida portuguesa poderá estar de novo sob pressão nos mercados internacionais.

Além destas duas realidades, há ainda a variável do risco político em Itália. Neste momento, ninguém consegue prever o futuro da política italiana. Parece, contudo, que teremos um de dois cenários. Poderá haver uma aliança entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga. Após as derrotas de Berlusconi e de Renzi nas eleições, esta será a única maioria parlamentar politicamente possível. Esta aliança improvável não terá que resultar necessariamente num governo de coligação. Poderemos ter um governo do Movimento 5 Estrelas com o apoio parlamentar da Liga, uma espécie de geringonça italiana. Ou a fórmula inversa, um governo liderado pela Liga, na sua condição de maior partido da maior coligação eleitoral (a coligação de direita), e apoiado pelos 5 Estrelas. Mas neste ultimo caso, na prática, estaríamos perante uma coligação entre a Liga e o Movimento 5 Estrelas. Um segundo cenário passará pela realização de novas eleições, provavelmente em Outubro e um governo de gestão até lá. De acordo com as sondagens, o resultado mais provável seria o reforço da votação nos dois partidos anti-sistema.

Parece assim quase inevitável que a Itália terá num futuro mais ou menos próximo um governo populista cuja política económica assentará no aumento da despesa pública, na diminuição da receita fiscal ou até em ambas. Veja-se por exemplo, uma aliança entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga. O primeiro prometeu aumentar a despesa pública para reforçar os apoios sociais no sul da Itália, onde se encontra a sua base eleitoral. A Liga prometeu baixar os impostos pagos pelas classes médias do Norte e do Centro de Itália. Esta combinação, a única que permite uma aliança entre as forças populistas, será explosiva para a dívida italiana e para o preço das obrigações soberanas italianas nos mercados financeiros. O risco italiano constitui o maior perigo para a estabilidade da zona Euro e dos mercados.

Com uma dívida pública elevada, o fim da política monetária expansionista do BCE no horizonte e os perigos do risco Itália, o governo deve preparar as melhores condições para vender obrigações soberanas a um preço razoável nos mercados internacionais. Não poderá continuar, durante muito tempo, a contar com a liquidez do BCE nem com os bancos nacionais. É aqui que entram a BlackRock e a Pimco.

Os dois fundos consideram que foram prejudicados com a passagem de linhas de obrigações do Novo Banco para o banco mau no final de 2015. O Banco de Portugal afirma que agiu em conformidade com a lei. Independentemente da razão legal, a resolução do diferendo nos tribunais não é do interesse do Estado português. Um processo jurídico prolongado afecta a imagem de Portugal nos mercados e, sobretudo, impede que a BlackRock e a Pimco comprem dívida portuguesa. Sem o programa do BCE e a diminuição da capacidade dos bancos nacionais para comprar dívida soberana, Portugal precisa da disponibilidade de dois dos maiores fundos globais a investir em obrigações soberanas. Quer a BlackRock como a Pimco foram muito importantes para o regresso de Portugal aos mercados em 2014.

Os mercados de obrigações estão relativamente tranquilos, mas podem mudar rápida e subitamente. O mais provável é que se tornem mais agitados na Europa durante o próximo ano. A economia e o sistema financeiro portugueses ainda estão numa posição frágil. Se os mercados se agitarem, convém contar com fundos como a BlackRock e a Pimco do nosso lado e não contra nós. Seria assim avisado que o Estado português chegasse a um acordo com esses dois fundos, e outros mais pequenos, nos próximos meses. Se a tempestade regressar aos mercados, precisamos de aliados e não de adversários.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Estado português deve fazer um acordo com a BlackRock e a Pimco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião