O violino de Centeno e o sarilho de Rio

Até aqui, o PSD podia empunhar a bandeira da responsabilidade orçamental, por oposição às tentações orçamentais de “bar aberto” do passado. Com o PS a chegar a um défice nulo, perde essa narrativa.

Tentar fechar a legislatura com um défice orçamental de 0,2% é uma óptima notícia e um objectivo que o Governo tudo deve fazer por alcançar ou superar. Mais duas ou três décimas de esforço no próximo ano e o país veria a sua credibilidade muito reforçada com uma mensagem muito simples e fácil de comunicar: acabámos com o défice, temos excedente orçamental. À notícia do ECO, sucederam-se, claro, várias vozes incomodadas e críticas deste caminho orçamental.

Convém recordar, ainda assim, que o primeiro Programa de Estabilidade e Crescimento apresentado por este governo em 2016 previa um défice de 0,1% para 2019 e com uma trajectória de crescimento do PIB abaixo da que está a verificar-se. Por isso, em relação a essa previsão nem se pode dizer que Mário Centeno esteja a ser “mais papista que o Papa”.

A esquerda mais à esquerda, que começa mais ou menos a meio do PS, reclama contra esta pressa em acabar com o défice e, invariavelmente, diz que “estes resultados são alcançados à custa do povo e dos seus direitos” (cito de cor, mas estou certo que estas palavras já foram ditas). Percebe-se a lógica, mas é preciso dizer-lhes e alertar os contribuintes que esta lógica só funciona no curtíssimo prazo e não no médio e longo prazo.

E que lógica é essa? É assim: se o défice não for cortado em mais mil milhões de euros – é isso que está em causa na passagem do défice actual para os 0,2% em 2019 – esse dinheiro pode ser utilizado em políticas sociais ou aumentos salariais da função pública, por exemplo. Certo. Mas, já agora, vamos contar o resto da história. Se isso acontecer, esses mil milhões de dinheiro que o Estado gasta sem o ter – todo o défice é dinheiro que é gasto sem que o Estado o tenha – terão que vir de algum lado. Virão de onde? De mais dívida que é feita e que fica para pagar nos próximos anos. E quem pagará essa dívida? Nós, se formos ainda novinhos, os nossos filhos e os nossos netos com os impostos que terão de pagar para isso.

Esta ideia de que o défice orçamental é um “almoço grátis” é um logro em que não podemos cair novamente. Pode ser um almoço grátis para quem o está a comer agora mas que será pago por quem vier a seguir em forma de dívida. Portanto, quando se diz “vamos ser mais lentos na redução do défice”, está-se a dizer “vamos nós gastar mais e fazer mais dívidas e quem vier a seguir que as pague”.

Mesmo que uma fatia da redução do défice esteja a ser feita com o aumento da carga fiscal, como de facto está, estamos apenas a trocar impostos pagos no futuro por impostos pagos agora. Este é o princípio geral do trio défice —> dívida —> impostos e só isto já bastava para pensar duas vezes antes de reclamar contra o corte do défice.

Mas há mais, que é a questão da oportunidade e do momento económico. Se todos se dizem a favor da disciplina e do equilíbrio orçamental – embora muitos acrescentem logo um “mas…” – quando é esperam, afinal, alcançá-lo se não for na fase alta do ciclo económico? Este ano a economia deverá desacelerar em relação a 2017 e, com as previsões disponíveis, não se prevê uma aceleração significativa para 2019. Nas incertezas que sempre há em cima da mesa, temos a evolução da política do Banco Central Europeu e o seu impacto nos juros.

Para um país com dívida pública de 120%, esta é uma variável fundamental, como se tem visto ultimamente com a “folga” dada pela descida dos encargos com juros. Se não aproveitamos esta “janela” de conjuntura simpática e positiva para cortar o défice e fazê-lo desaparecer, vamos fazê-lo quando? Quando a economia estagnar, o desemprego subir, a cobrança de impostos vacilar e a margem orçamental se reduzir naturalmente? Nessa altura, em que é preciso deixar o défice subir por funcionamento dos chamados “estabilizadores automáticos”, queremos partir dos zero ou de 1% ou 2%, arriscando ultrapassar novamente os 3%?

Esta é então a oportunidade para anular o défice e ela não pode ser perdida. E é também o momento para o ministro das Finanças se exceder naquilo que tem sido a sua gestão orçamental. A abordagem de Mário Centeno é semelhante à de um violinista: segura o instrumento com a esquerda, mas toca com a direita. No discurso e no papel garante o apoio parlamentar das esquerdas mas na prática e na acção lá segue as regras que a boa execução orçamental recomendam, coisa que está mais identificada com as políticas de direita – dediquei-me a isso, aliás, no último artigo.

O país só tem a ganhar com os bons resultados orçamentais, como se está a ver. Que o défice tendencialmente nulo seja alcançado por um governo de socialistas com o apoio de comunistas e bloquistas é politicamente irónico – uma ironia que não deixa também de ser retrógrada – e representa, sobretudo, um grande problema para os partidos mais à direita, sobretudo para o PSD.

É fácil de perceber porquê. A vida política portuguesa foi dominada, na última década, pela economia e, dentro desta, sobretudo pela questão orçamental. Todos sabemos porquê e como, não vale a pena repeti-lo. E ainda hoje, como se vê, as grandes discussões, os alinhamentos noticiosos e a agenda pública estão muito focados na gestão orçamental e nos recursos do Estado. É assim com a Cultura, com os incêndios, com a Saúde ou a Educação. É típico de “casa onde não há pão”.

Até aqui, o PSD podia sempre empunhar a bandeira da responsabilidade orçamental, das medidas duras mas necessárias para ter as contas minimamente em ordem e de uma alternativa ao regresso a tentações orçamentais de “bar aberto”, como aconteceu no passado.

Os últimos dez anos e os factos que todos conhecem sustentavam bem essa narrativa simples: os socialistas foram os delinquentes financeiros que levaram o país ao limiar da bancarrota e tiveram que pedir o resgate, enquanto os partidos da direita, bem ou mal, executaram esse programa dentro dos prazos e com resultados que agora permitem mais crescimento e contas mais equilibradas.

Os bons resultados orçamentais que este governo está orgulhosamente a alcançar retiram ao PSD essa possibilidade de diferenciação de fácil e rápida percepção pelos eleitores. É uma dificuldade para Rui Rio, mas pode ser uma óptima oportunidade para o país.

O desafio para o líder do PSD está em encontrar propostas e caminhos que sejam alternativas e, ao mesmo tempo, percebidas claramente pelo eleitorado. Já não chega dizer que “eles são irresponsáveis e nós não” e é preciso aprofundar o trabalho de casa. Não será uma diferença entre um défice nulo ou um pequeno excedente orçamental a sustentar um programa político.

A oportunidade para o país está em deixar de ter as discussões sobre o nível de défice público como centrais na vida política e financeira. Se se mantiver este consenso ao qual o PS veio agora juntar-se, de que a normalidade na gestão de um país é ter défice nulo ou pequenos excedentes – vá lá, défice nulo com uma margem de 0,2 pontos percentuais do PIB para cada lado – na fase mais alta do ciclo económico, passamos colectivamente a focar-nos no essencial das políticas públicas e não na última linha da tabela orçamental.

É saudável que o que separa orçamentalmente a esquerda e a direita não seja o maior ou menor défice que fazem e defendem, mas sim o “mix” de políticas e de receitas e despesas que propõem para chegar a um mesmo equilíbrio das contas públicas.

Mais despesa e mais impostos para a pagar? Para gastar ou investir em quê? E tributando quem? O Estado deve manter ou reduzir as suas funções? A redução da carga fiscal deve ser feita à custa de quê? Que investimentos públicos são prioritários? Como se restabelecem os meios para serviços de saúde? Descentralizar o quê e como?

No fundo, trata-se de deixar a discussão sobre o dinheiro que o Estado não tem – o défice – para a centrar nos recursos que o Estado tem.

Como se vê pelas execuções orçamentais dos últimos anos, não faltam possibilidades de propostas alternativas dentro do mesmo défice orçamental, a começar pelo debate sobre a sua sustentabilidade a prazo. São essas discussões, enformadas pelas diferentes formas de olhar para a sociedade e para o país que queremos ser, que fazem falta.

Matem o défice, deixem-no a descansar em paz por muitos anos e discutam políticas.

Nota: Por opção, o autor escreve segundo a antiga ortografia

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O violino de Centeno e o sarilho de Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião