Regionalização. Não ponham o Porsche à frente dos bois

Marcelo avisou que avançar com a regionalização em 2022 é "colocar o carro à frente dos bois". A regionalização não deve avançar. E a avançar, nunca deverá ser antes da descentralização.

‘Concorda com a instituição em concreto das regiões administrativas?’ ‘Concorda com a instituição em concreto da região administrativa da sua área de recenseamento eleitoral?’ Foram a estas duas perguntas que a maioria dos portugueses respondeu “não” e “não” no referendo à regionalização a 8 de novembro de 1998.

Mais de 20 anos volvidos, calhou estarem no poder três fervorosos regionalistas (António Costa, Fernando Medina e Rui Moreira) que defendem que a resposta dos portugueses deveria ter sido um “sim”. E calhou estar em Belém alguém (Marcelo Rebelo de Sousa) que em 1998, na altura líder do PSD, foi uma das vezes mais audíveis a favor do “não”.

Os defensores do “sim” acham que basta o relatório da Comissão Cravinho para legitimar a opção pela regionalização, sem ter de se voltar a referendar o tema. Medina e Moreira têm razão quando dizem que o número 236º da Constituição prevê, no âmbito do poder local, três tipos de autarquias: as freguesias, os municípios e as regiões administrativas. Esquecem-se é que uns números à frente, no 256º, exige-se para tal uma consulta popular.

Se a Constituição é um entrave à regionalização, então mude-se a Constituição, pedem os autarcas das duas maiores câmaras do país. Não são os únicos a querer regionalizar sem referendar. António Costa queria, sem consultar os portugueses, que os presidentes das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto passassem a ser eleitos diretamente pelo povo, o que iria dar origem, na prática, às duas primeiras regiões administrativas.

20 Anos depois, Marcelo volta a dizer “não”. E com razão. Se chegarmos à conclusão que o caminho é dividir o país em regiões, façamo-lo às claras e respeitando a vontade popular.

Passando da forma ao conteúdo, creio que todos concordamos no diagnóstico: Portugal é um país muito centralizado. Aqui, os números podem ajudar a cristalizar a convicção: a média da despesa pública local realizada a nível europeu é de 25%, enquanto em Portugal o poder local participa em apenas 14% das receitas públicas.

Dito isto, o caminho é regionalizar? A resposta talvez mais honesta creio que foi aquela dada por Rui Rio: “não sei”. Percebendo-se a bondade dos argumentos daqueles que são pró-regionalização — sendo o argumento mais forte o da proximidade — é difícil encontrar grandes vantagens na regionalização por quatro razões:

1. O país já está dividido em muitas fatias

Regionalizar é criar mais três camadas de poder na organização subnacional do Estado. Olhando para a forma como território está dividido, o que se ganhará com a criação de mais governos regionais e respetivas Juntas Regionais e Assembleias Regionais?

O país tem apenas 92.212 quilómetros quadrados e, administrativamente e politicamente, já está bastante retalhado. Já temos um governo central e uma Assembleia da República com deputados que são eleitos em representação de 20 regiões diferentes (os círculos eleitorais).

Depois temos as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), que dividem o país em cinco regiões e ainda as duas áreas metropolitanas, a de Lisboa e do Porto, e também 21 Comunidades Intermunicipais. Depois o país divide-se em 308 municípios e respetivas assembleias municipais e ainda 3.091 freguesias, algumas com apenas 20 hectares e outras com apenas 43 habitantes, com as suas juntas e assembleias de junta. Como se não bastasse, as câmaras ainda se organizam na Associação Nacional de Municípios Portugueses e as freguesias na Associação Nacional de Freguesias.

Isto tudo sem esquecer, é claro, as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, e os seus governos e assembleias regionais. Já para não falar dos nossos distritos que em tempos não muito longínquos foram liderados por governadores civis, cargos que Pedro Passos Coelho fez questão de extinguir e até ao dia de hoje ainda ninguém deu pela falta deles.

E para fins estatísticos há ainda quem divida o país em NUTS I, NUTS II e NUTS III. É de loucos.

2. Centralizar também tem vantagens

O debate sobre a regionalização tem assentado na ideia de que a descentralização é a panaceia para todos os nossos males, esquecendo-se, alguns, que centralizar também tem vantagens a nível de economia de escala, eficiência, organização e escrutínio.

Não é por acaso que neste país criaram-se os agrupamentos escolares, os centros hospitalares e se juntaram tribunais.

Aliás, não deixa de ser curioso que António Costa, enquanto presidente da Câmara de Lisboa, tenha optado por reduzir de 53 para 24 o número de freguesias, ainda antes da imposição da troika. Centralizar às vezes é a melhor forma de descentralizar.

3. Podemos descentralizar sem regionalizar

Se o objetivo dos que defendem a regionalização é descentralizar poderes, não existirá formas mais expeditas e eficientes de o fazer? Assim de repente consigo-me lembrar de três:

  • Deslocalização de serviços/ministérios

É verdade que António Costa não conseguiu levar o Infarmed para o Porto, mas o caminho para descentralizar também passa por deslocalizar serviços, empresas, institutos e agências para fora de Lisboa.

Ajudava também descentralizar o poder. Santana Lopes, no seu curto mandato, chegou a instalar seis secretarias de Estado fora de Lisboa: Coimbra, Santarém, Aveiro, Évora, Faro e Braga.

O mesmo fez António Costa: os gabinetes governamentais da Valorização do Interior, da Ação Social e da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território vão para Bragança, Guarda e Castelo Branco, respetivamente.

  • Transferência de competências

A atribuição da gestão da Carris à Câmara de Lisboa e da STCP à Câmara do Porto, bem como a transferência das competências da PSP em matéria de trânsito para as respetivas políticas municipais, são outros exemplos eficazes de descentralização.

  • Descentralização

Será talvez a grande herança de António Costa. O Governo tem em marcha uma mega transferência de competências do poder central para as autarquias, nas mais diversas áreas setoriais: desde praias, exploração de jogos de fortuna ou azar, vias de comunicação, justiça, educação, associações de bombeiros, estruturas de atendimento ao cidadão, habitação, estacionamento público, etc.

O processo envolve a transferência para as autarquias de 45.160 trabalhadores, 2.800 imóveis e ainda um cheque de 952,7 milhões de euros.

Para aqueles que defendem que o poder local consegue fazer mais com menos, eis a oportunidade de o demonstrar. Enquanto não completarmos esta etapa, não vale a pena falar em regionalização. É precisamente este o argumento do Presidente da República: “Estar a sobrepor a regionalização a esse processo seria uma precipitação, por colocar o carro à frente dos bois, podendo ser um erro irreversível”.

4. Escrutinar o poder local e o exemplo da Madeira

Se deslocalizarmos, municipalizarmos, transferirmos competências, para quê precisamos de regionalizar? Para dar emprego aos autarcas que vão para o desemprego por causa da nova lei de limitação de mandatos?

A dispersão de poder e dinheiro para o poder local e regional não está isenta de riscos e um deles é o de menor escrutínio. Ainda todos se lembrarão do caso da Região Autónoma da Madeira que escondeu 1.113 milhões de euros em despesas, que deveriam ter sido reportadas às autoridades estatísticas e não o foram, e que, quando a troika descobriu, fizeram disparar o défice.

Há um outro caso esta semana noticiado pelo jornal Público que vale mais pelo caricato do que pelo valor envolvido. A Escola Profissional Amar Terra Verde lançou um concurso para a compra de um carro de luxo no valor de 100 mil euros com “volante desportivo em pele, tapetes em alcatifa aveludada e bancos dianteiros aquecidos e com massagem”. Segundo o jornal, a escola pretende dar como retoma um Porsche Panamera de 2012.

Esta escola é detida em 49% pelos municípios de Vila Verde, Amares e Terras de Bouro que venderam os restantes 51% do capital da escola por causa de uma lei do tempo da troika que obriga à dissolução das empresas locais sempre que se verifique que, nos últimos três anos, o seu resultado líquido foi negativo. Isto para evitar uma prática comum na altura em que autarquias utilizavam empresas municipais como forma de desorçamentar despesa.

Aliás, a propósito de escrutínio, não deixa de ser curioso e caricato que Rui Moreira, em entrevista à TSF, tenha dito que obrigar os autarcas a escolher até 2021 as competências a transferir para as suas regiões em matéria de descentralização era um enorme risco, porque 2021 é ano de eleições autárquicas e os autarcas “vão querer ficar com todas essas competências, prometendo mundos e fundos à população. E, depois, não vão ter os recursos pertinentes para cumprirem as suas obrigações”.

É esta a confiança que um regionalista convicto deposita no poder local.

O Porsche de Marcelo e o Ferrari de António Costa

Aqui chegados, e por aquilo que foi dito nos pontos 1, 2, 3 e, sobretudo no 4, fazer a regionalização à pressa é, como diz Marcelo, “colocar o carro à frente dos bois”, ou pior, colocar o Porsche à frente dos bois.

Isto não quer dizer que o poder local não seja de confiança. É como tudo, há bons e maus presidentes de governos regionais, há bons e maus autarcas. E nem só de Porsches e de bois se faz a descentralização. Também se faz com Ferraris e burros.

Um dos bons autarcas deste país foi António Costa que um dia, quando ainda ambicionava ser presidente da Câmara de Loures, resolveu fazer uma corrida entre um burro e um Ferrari para demonstrar que o transito na Calçada de Carriche era caótico, exigindo o prolongamento da linha do metro.

Graças a António Costa, e a muitos outros autarcas competentes deste país, a linha do metro chega hoje a Odivelas. E não foi preciso regionalizar para descentralizar.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Regionalização. Não ponham o Porsche à frente dos bois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião