Rio, o protocandidato a Primeiro-Ministro (1)premium

Rio tem de ser mais ambicioso nas propostas económicas com que se vai apresentar ao eleitorado se quer realmente mudar Portugal para melhor. Os portugueses merecem isso.

As eleições no PSD foram importantes para o país porque delas pode resultar o futuro Primeiro-Ministro de Portugal. Na verdade, e face à alternativa existente - mais 4 anos de socialismo estagnado – espero sinceramente que o vencedor traga mudanças e que elas sejam na direcção do interesse dos portugueses. À primeira vista, Rangel parecia uma melhor opção. Rio demonstrou inoperância na oposição durante seis anos e pouco propôs em termos de alternativas. A sua imagem está associada a combinações de bastidores com Marcelo e Costa que são pouco transparentes para os eleitores, deixando a ideia de que um governo seu faria o mesmo que os socialistas (o nome da sua moção, “Governar ao Centro”, indica exactamente isso). E ainda por cima tem ideias rocambolescas sobre o que deve ser o

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos