Unindo a voz da profissão para um bem maior

  • Magdalena Nowicka Mook
  • 17 Junho 2020

Da mudança climática à pobreza, ao acesso à educação, questões de género ou privilégio económico - ou a mais recente pandemia de Covid-19 e desigualdade racial -, existem muitas causas importantes.

Quando as pessoas consideram a possibilidade de ingressar numa associação profissional, fazem naturalmente esta pergunta: qual é o principal objetivo ou a razão de ser de tais organizações? É para apoiar os seus membros? É para promover a profissão? É para defender uma certa posição? É um pouco de tudo? Todas essas são boas perguntas que ajudam as pessoas a tomar uma decisão informada para se inscreverem como membros.

Uma das definições comuns afirma que a associação é “um conjunto de pessoas envolvidas na mesma profissão, formada geralmente para controlar a entrada na profissão, manter standards e representar a profissão em discussões com outros órgãos”. Outras definições mencionam que as associações são “defensoras de uma certa posição ou causa que visa influenciar decisões dentro de instituições políticas, económicas e sociais”.

Atualmente, não faltam causas que ocupem as nossas mentes. Da mudança climática à pobreza, ao acesso à educação, questões de género ou privilégio económico – ou a mais recente pandemia de Covid-19 e desigualdade racial -, existem muitas causas importantes, urgentes e cruciais.

Alguns podem optar por usar a estrutura dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para 2030; outros podem querer ter um foco mais localizado em questões específicas.

E o que é que o coaching tem a ver com isto?

Como associação global para Coaches e Coaching, a International Coaching Federation (ICF) pode aproveitar o poder coletivo, a influência e a voz de nossos membros para promover mudanças que beneficiarão o nosso sector, os nossos clientes, as nossas comunidades e o mundo.

Menciono alguns exemplos importantes.

Recentemente, a ICF foi uma das cinco principais associações de coaching e mentoring que se uniram para assinar uma Declaração Conjunta sobre a Crise Climática.

As direções das cinco associações aprovaram esta declaração – Declaração Global de Órgãos Profissionais para Coaching, Mentoring & Supervision.

Isto não é um mandato imperativo ou até uma solicitação – é um convite para participar:

  • Como seres humanos individuais
  • Como coaches, mentores e supervisores individuais
  • Como organizações profissionais a nível individual
  • Como um conjunto de associações profissionais.

É nesta quarta dimensão, como conjunto de associações profissionais, que assumimos um compromisso conjunto. Baseia-se em duas questões principais:

  • que o ritmo de aprendizagem é fundamental e,
  • que coaches e mentores bem informados, com base nas principais competências de consciencialização e responsabilidade, visão e mentalidade positiva, estão bem posicionados para dar uma contribuição significativa nessa área.

Imbuída deste mesmo espírito, no início deste mês, a ICF emitiu uma declaração contra o racismo, a desigualdade e a violência. Isto está de acordo com os nossos valores e nossa visão de uma sociedade próspera. É uma extensão do ethos do praticante de coaching profissional.

Como coaches, consideramos o contexto, a identidade, o ambiente, as experiências e as crenças dos nossos clientes; quando estabelecemos uma parceria com eles para os ajudar a desbloquear o seu potencial. No entanto, não podemos ajudar nossos clientes a alcançar seu maior potencial, a menos que também trabalhemos tendo em conta as condições arraigadas que os limitam.

Aumentar a consciência dos nossos coaches conduz ao aumento da consciência dos nossos clientes. Uma voz coletiva é mais proeminente. Uma voz coletiva é ouvida de forma mais ampla. Como coaches, temos um papel a desempenhar com os nossos clientes e os seus sistemas. Como associação, temos um papel a desempenhar a uma escala mais ampla. Estamos unidos por um bem maior.

  • Magdalena Nowicka Mook

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Unindo a voz da profissão para um bem maior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião