Projeto de Matosinhos vence prémio New European Bauhaus

A plataforma AYR, desenvolvida pelo Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA) em Matosinhos, venceu o prémio New European Bauhaus na categoria de produtos e estilo de vida sustentáveis.

Baseado em blockchain, o AYR recompensa comportamentos neutros em carbono ao nível da mobilidade, o que possibilita a criação de mercados locais voluntários de carbono em que os créditos digitais circulam como “tokens verdes”.

O anúncio dos vencedores foi feito esta quinta-feira pela Comissão Europeia. Numa nota enviada às redações, o CEO do CEiiA, José Rui Felizardo, destaca que este “é um projeto pensado a partir das pessoas e em que a tecnologia é apenas o meio para que o cidadão possa participar de forma proactiva na descarbonização das cidades”.

“É um projeto que envolve várias gerações, começando por aqueles que se sentam no banco da escola. (…) É um projeto concebido e testado em ambiente real, na nossa cidade de Matosinhos e que foi inspiracional para o desenvolvimento de produtos ciber-físicos numa nova dimensão estética na mobilidade”, acrescenta o gestor, que lidera uma equipa de mais de 300 engenheiros.

Em abril, o CEiiA já tinha sido selecionado pela Google para integrar o programa Impact Challenge on Climate precisamente com esta plataforma de sustentabilidade AYR. Na altura do anúncio foi dito que os próximos dois anos serão dedicados à escalabilidade desta ferramenta em cidades de todo o mundo.

O Novo Bauhaus Europeu, como foi batizado este movimento em Bruxelas, pretende criar um novo estilo de vida que combine sustentabilidade com bom design, que necessite de menos carbono e que seja inclusivo e acessível para todos, respeitando a diversidade existente no espaço europeu.

“Ao criar pontes entre ciência e inovação e arte e cultura e ao adotar uma abordagem holística, o Novo Bauhaus Europeu desenvolverá soluções não só sustentáveis e inovadoras, mas também acessíveis e enriquecedoras para todos. Estes projetos vencedores incorporam este novo espírito”, refere a comissária para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel.

Os vencedores foram selecionados por um júri composto por 80 personalidades de vários setores e países da União Europeia, que analisaram mais de 2.000 projetos provenientes das várias geografias do Velho Continente.