Nelson de Souza: “Queremos aprovar cinco mil milhões de fundos em 2019”

  • ECO
  • 2 Março 2019

O novo ministro do Planeamento, Nelson de Souza, diz querer esgotar os fundos europeus do atual quadro no ano de todas as eleições. Evitar corte de 7% no próximo quadro é uma prioridade.

O novo ministro do Planeamento, Nelson de Souza, vai antecipar o calendário e esgotar todos os fundos europeus do atual quadro comunitário PT2020 em 2019. O objetivo foi assumido pelo governante em entrevista ao Expresso (acesso pago), neste sábado, onde sobre o futuro garante ainda que o Governo está a fazer tudo para mitigar o corte de 7% proposto pela Comissão Europeia para o próximo quadro PT2030, ainda que não se comprometa com qualquer meta.

“Queremos antecipar para 2019 o encerramento do PT2020 em termos de aprovações de projetos. Queremos comprometer todo o orçamento até ao final deste ano”, afirmou Nelson de Souza, acrescentando que ” bolo que será objeto de aprovação até ao final de 2019 será qualquer coisa como 5 mil milhões de euros”.

Relativamente a uma eventual conotação eleitoralista que possa ser associada a esse objetivo, o governante não foge à pergunta. “Qualquer medida de estímulo de economia que possa surgir agora corre o risco de ter essa leitura por parte de quem faz oposição ao Governo. Sabemos disso e são as regras do jogo”, começa por assumir, para depois lembrar que “não faz sentido ter uma grande procura por parte dos investidores e depois não aprovar os seus projetos de investimento“.

Confrontado com as críticas da oposição que falam em problemas de execução de fundos comunitários, nega a respetiva lógica. “O que é reconhecido nos meios comunitários é que Portugal é claramente daqueles que vai à frente na execução. O ranking diz respeito aos países que recebem os maiores envelopes financeiros”, salienta Nelson de Souza.

Quanto ao PT2030, e evitar um corte de 7% (1,6 mil milhões de euros) nos fundos da coesão, Nelson de Souza assume que o objetivo é mitigar ao máximo essa redução. “Vamos defender os nossos interesses até ao último dia“, assume apesar de não traçar qualquer meta nesse âmbito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nelson de Souza: “Queremos aprovar cinco mil milhões de fundos em 2019”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião