Agora já pode consultar projetos do PT2020 no telemóvel. IAPMEI tem uma nova app

Para além da app, o IAPMEI vai lançar também um conjunto de guias e de vídeos tutoriais sobre a apresentação de candidaturas e gestão de projetos Portugal 2020.

Quer saber em que ponto está o seu projeto? Quer mandar uma mensagem rápida ao seu gestor de projeto? Quer ter informações sobre os pagamentos dos incentivos comunitários? Receber alertas? Estas são algumas das novas funcionalidades que passam a estar disponíveis no telemóvel para todos os empresários que tenham projetos financiados pelo Portugal 2020 sob a responsabilidade do IAPMEI.

A nova aplicação já se encontra disponível na App Store da Apple, para quem utiliza um iPhone ou um iPad, com sistema IOS, ou na Google Play Store, para os smartphones ou tablets com sistema operativo Android. Mas apesar de já estar disponível desde 12 de fevereiro de 2019, e ser oficialmente apresentada esta segunda-feira, tem vindo a ser sujeita a várias atualizações com bases nos inputs das empresas a quem a app foi dada a testar.

É o caso de Marco Pereira. “As apps são boas para trazer informação essencial disponível no telemóvel sobre todos os projetos, valor do financiamento, o investimento já realizado, o número de dias que faltam para terminar o projeto”, explica ao ECO, o administrador da Joalpe. O responsável desta empresa que oferece soluções de logística, organização e merchandising para o ponto de venda das maiores cadeias de retalho a nível mundial lembra, contudo, que “para informação mais detalhada é necessário ir mesmo ao site do IAPMEI ou contactar gestor do projeto”.

“A App é útil na medida em que replica de uma forma bastante real o que conseguimos obter ou fazer no ambiente da consola tradicional do IAPMEI”, sublinhou ao ECO, por seu turno, Silvana Leal da Tintex. “É um ótimo ponto de partida termos uma desmaterialização do processo por via de uma aplicação tão intuitiva. É um instrumento de proximidade face à realidade dos nossos dias”, acrescenta a responsável de recursos humanos e de projetos desta empresa criada em 1998 como tinturaria, mas que hoje é considerada uma “referência mundial no desenvolvimento e produção de materiais sustentáveis”.

Para Silvana Leal, a app é “um ótimo instrumento não para o técnico interno ou o consultor associado à empresa, mas mais para a administração da empresa”. “Alarga as pessoas que podem ter acesso à informação do projeto”, acrescenta, sublinhando porém que esta app não substitui o Balcão 2020, por exemplo.

A abertura a mais pessoas não alimenta quaisquer receios de segurança porque para aceder é necessário fazer login. Para entrar na aplicação, que custou pouco mais de 32,5 mil euros, é necessário preencher o número de identificação fiscal e introduzir uma palavra passe. “Não é possível avançar sem a autenticação correta”, garante o IAPMEI.

E para que não tenha de fazer um constante esforço de memória, a app disponibiliza a opção de lembrar as credenciais e de colocar a impressão digital.

Após o login correto surge uma área de ajuda sobre as principais funcionalidades disponíveis: obrigações, projetos, mensagens e avisos. E é através do menu das “obrigações” que se se acede à homepage e são apresentados os vários deveres (caso existem) para cada projeto em particular e o calendário dessas mesmas obrigações.

Depois, na área do projetos, a empresa tem a listas de todos os projetos associados, assim como um alerta sobre os projetos a associar. Por exemplo, a Joalpe tem atualmente dois investimentos no âmbito do Portugal 2020, um de 2,5 milhões de euros no âmbito do SI Inovação e outro de um milhão para a Internacionalização da empresa. Estes projetos traduziram-se, para já, “na contratação de mais dez pessoas, todas qualificadas, mas ainda vai ser necessário contratar mais”, assegura o administrador Marco Pereira.

Também a Tintex tem vários projetos que receberam apoio do Portugal 2020, mas nem todos contam com o IAPMEI como organismo intermédio. Alguns estão a ser desenvolvidos sob o chapéu da Agência Nacional de Inovação (ANI) e outros da Aicep. Neste caso, na app só estará disponível a informação relativa aos primeiros, que têm implícito um investimento que ronda os sete a oito milhões de euros, conta Silvana Leal. Em causa esteve a compra de maquinaria e o alargamento da fábrica para aumentar a capacidade produtiva da empresa que conta já com cerca de 130 funcionários, sendo 25 deles qualificados. “Desde o arranque desta nossa estratégia de investimento e crescimento, muito ligada à sustentabilidade e à inovação, e alavancada nos programas operacionais, a nossa equipa que tinha cerca de oito pessoas qualificadas, de um universo de cerca de 100 trabalhadores passou agora para 130, sendo 25 qualificados”, afirma Silvana Leal.

Para cada projeto é possível consultar um menu com as seguintes funcionalidades: informação sobre a visão global, gestor, regulamentação, pedido de pegamento, outras formalizações, pedidos de elementos, garantias e informação adicional.

A app, desenvolvida pela Innovation Makers, ao longo de cerca de um ano, disponibiliza ainda a legislação específica para cada projeto, nomeadamente, os avisos de concurso, o referencial de mérito, a republicação do aviso (caso exista), o guia de preenchimento do formulário de candidatura, entre outros.

Já quanto aos pedidos de pagamento as empresas podem consultar todos os pedidos submetidos, com a data de receção, o fundo em questão (Feder ou FSE), o estado (em análise ou decidida) e a data de decisão, caso já exista. Em cada item é possível consultar o detalhe de cada pedido.

As empresas podem ainda ver todos os pedidos de elementos que fizeram, no âmbito da análise da candidatura ou de verificação dos pedidos de pagamentos, mas não podem responder a um pedido de elementos por esta via. Esta área só pode ser usada para consulta.

Para além da app, o IAPMEI vai lançar também um conjunto de guias e de vídeos tutoriais sobre a apresentação de candidaturas e gestão de projetos Portugal 2020, com vista à melhoria das práticas nesta área.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agora já pode consultar projetos do PT2020 no telemóvel. IAPMEI tem uma nova app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião