Governo admite derrapagem no PRR

  • ECO
  • 9 Junho 2022

Mariana Vieira da Silva admite que os objetivos traçados no PRR podem derrapar, na sequência do aumento dos custos das matérias-primas, mas diz que problema não é exclusivo de Portugal.

A ministra da Presidência admitiu, em entrevista ao Público/ Rádio Renascença (acesso livre), que os objetivos traçados no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) podem derrapar, na sequência do aumento dos preços das matérias-primas. Ainda assim, Mariana Vieira da Silva sublinha que este não é um problema exclusivo de Portugal.

Há um debate — que não é nacional, é um debate europeu –, sobre se é possível manter exatamente os níveis de compromisso com preços diferentes, tendo em conta as dificuldades de acesso à matéria-prima e com uma Guerra na Europa“, adianta a ministra da Presidência, sublinhando que este é “debate inevitável” que acontece “no Portugal 2020 e que também acontecerá no PRR”.

Também o Presidente da República admite que os Estados-membros serão forçados a prolongar a execução do PRR para lá de 2026 devido ao impacto da guerra. “Pode ser que, se a guerra se prolongar muito, que se chegue a conclusão de que a execução dos PRR de todos os países precisa de folga, precisa de mais prazo”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP3. No entanto, o Chefe de Estado sinalizou que “é tudo ainda muito indefinido porque, em rigor, ninguém sabe bem quanto a guerra pode durar”.

Em entrevista ao Público/Renascença, a ministra da Presidência sublinha, no entanto, que esta situação não “significará” que o PRR não seja cumprido. “O PRR associa uma determinada verba a um conjunto de equipamentos, e construções. [Com os efeitos da crise] o mesmo volume financeiro pode não permitir a construção do mesmo número de habitações”, admite.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo admite derrapagem no PRR

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião