Barragem que rega hortas de Mirandela só tem água para um mês

  • Lusa
  • 22 Junho 2022

Caso não chova, só há água para um mês na barragem que rega hortas e forragens para animais de Mirandela. A seca vai afetar os agricultores que precisam da água para as culturas de verão.

A barragem de Vale de Madeiro só tem água para um mês, o que significa que poderá deixar de regar as hortas e forragens para animais de perto de 200 beneficiários, revelou o presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale de Madeiro, Emanuel Batista.

Esta é uma das sete albufeiras da lista anunciada pelo Governo com limitações para a campanha de rega no Norte, Alentejo e Algarve, devido à seca que afeta Portugal, considerada extrema no distrito de Bragança, que abrange Mirandela.

O presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale de Madeiro disse que a barragem só já pode utilizar 20% de água e chega ao chamado caudal ecológico, a partir do qual é fechada.

Se não chover, o dirigente estima que deixe de regar dentro de “um mês”, numa época em que os agricultores precisam da água para as culturas de verão, nomeadamente produtos como batata, tomate ou cebola.

Segundo disse, “90%” dos beneficiários desta barragem cultivam hortas familiares, sociais e de subsistência” nas freguesias de Carvalhais e Mirandela, para consumo doméstico, mas também para vender no mercadinho local.

Os restantes são criadores de gado, nomeadamente de pequenos ruminantes e “meia dúzia de explorações de gado bovino”, como disse.

A associação já está a dizer aos criadores de animais “para não semearem, porque podem, a qualquer momento, não ter água para as pastagens, forragens e para conseguirem que essas culturas tenham viabilidade”.

Relativamente às culturas de verão, explicou que “estão todas semeadas, pode haver é menor ou maior produção”.

“Por exemplo, nós temos a batata plantada, está a meio do ciclo, se nós fecharmos a água a batata tem tendência ou a reduzir à qualidade ou ao tamanho ou mesmo não atempar o devido e não se conservar durante o ano”, concretizou.

Outro exemplo que Emanuel Batista deu foi o do tomate que “só daqui por mais quinze, vinte dias é que começa a produzir;o que quer dizer que pode nem chegar a produzir, porque faltando-lhe a água deixa de haver calibre, deixa de haver floração”.

Se a barragem fechar, a única alternativa que se avizinha, para já, é quem tem poços artesanais bombear a água dos mesmos para a rega.

A associação, segundo disse, está também a “incrementar o bom uso da água, mas não é fácil, porque os agricultores já têm uma determinada idade e é difícil eles compreenderem o uso eficiente de água”.

Ainda assim, Emanuel Batista repete o conselho para “usarem menos água, regarem nas horas mais frias, ao final do dia ou início da manhã para evitaram as evaporações”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Barragem que rega hortas de Mirandela só tem água para um mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião