“Se não há carros para vender, é muito mais difícil comunicar”premium

Após uma reorganização interna, pandemia, escassez de carros e até uma guerra, é tempo do regresso à normalidade. Teresa Lameiras, diretora de comunicação e marca da SIVA, explica no que se traduz.

Volkswagen, Audi, Seat, Cupra, Škoda, Bentley, Lamborghini e Volkswagen Veículos Comerciais. São estas as marcas da SIVA que, após ter sido comprada pela Porsche Holding Salzburg em 2019, absorveu no início de 2021 a Seat e a Cupra, uma nova marca.Ao momento de reorganização da companhia, juntou-se a pandemia de Covid-19, a falta de componentes para a produção dos automóveis e uma guerra na Europa. Com a procura por carros ainda superior ao número de veículos para entrega, comunicar acarreta desafios acrescidos. “Se não há carros para vender, é muito mais difícil comunicar. Naturalmente que é uma questão de budget, porque são afetados, mas também é uma questão de bom senso. Se não temos produto, como é que vamos comunicar para criar uma expectativa de uma coisa que não existe? Mais.

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos