Como é que as agências de meios olham para a rentrée?premium

Bernardo Rodo, Rodrigo Albuquerque e Rui Freire, que lideram três das maiores agências de meios do mercado, analisam os desafios de marcas e meios para os próximos meses.

A rentréeé por definição um momento importante na indústria da comunicação. O que foge da regra é uma inflação na casa dos 9%, com consequências diretas no poder de compra e uma quase inevitável retração no consumo, ou, em outro patamar, um Mundial de Futebol, evento sempre mobilizador da marcas, decorrer no inverno e a poucas semanas do Natal. Como é que a indústria vai reagir? “ Para já a indústria continua forte e regista no período acumulado janeiro-julho um crescimento de aproximadamente 10%. Mas de facto, depois de dois anos muito complexos, devido ao impacto da pandemia, vivemos novamente um período de muita incerteza e instabilidade, com dados e estimativas macroeconómicas nada otimistas”, começa por referir Rodrigo Albuquerque, managing partnerda Arena Portugal. “Teremos

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos