Madeira. Miguel Albuquerque diz ‘não’ a novo imposto sobre imóveis

  • Lusa
  • 19 Setembro 2016

Se for aprovado, o novo imposto sobre o grande património não será aplicado na Madeira. A garantia foi dada por Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional.

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que não será aplicado qualquer imposto sobre os prédios e os imóveis na região autónoma, independentemente da decisão que seja tomada a nível nacional.

“Quero deixar claro que, independentemente dos jogos de palavras e da retórica que seja introduzida relativamente ao aumento fiscal que potencialmente vai ocorrer na República, nós aqui na Madeira, relativamente ao imobiliário, não vamos acompanhar”, disse Miguel Albuquerque.

O presidente do Governo Regional, que fez estas declarações num discurso na Festa do Pêro, na freguesia da Ponta do Pargo, concelho da Calheta, na zona oeste da Madeira, estabelece assim a posição do executivo face à proposta em discussão entre a maioria de esquerda que apoia o Governo para um novo imposto sobre o imobiliário, que será progressivo e aplicado em paralelo com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a proprietários com património avaliado acima dos 500 mil euros.

“Quero-vos dizer aqui, de uma forma muito clara, que a Região Autónoma da Madeira, independentemente da decisão que seja tomada a nível nacional para a subida de impostos ao nível do imobiliário, não vai subir os impostos sobre os prédios e os imóveis na Madeira”, sublinhou Miguel Albuquerque.

O chefe do executivo disse que é fundamental manter a “confiança” e um “rumo coerente” no sentido de prosseguir com a recuperação da economia regional. “Nós precisamos de investimento, precisamos de investimento estrangeiro e a única forma de o fazer é criar condições de segurança e de atratividade para quem quer investir na Madeira”, vincou.

Miguel Albuquerque lembrou ainda que setor do imobiliário na Madeira subiu 36% de 2014 para 2015, sendo que este ano, no primeiro trimestre, voltou a crescer mais 8%. O número de licenciamentos para habitação própria também subiu no primeiro semestre 137%, relativamente ao ano passado. “É evidente que sentimos hoje uma nova confiança em termos de investimento e em termos de dinamização da nossa economia”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Madeira. Miguel Albuquerque diz ‘não’ a novo imposto sobre imóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião