"Não pode ser ad eternum que os trabalhadores tenham um corte dos seus salários e rendimentos", disse Jerónimo de Sousa, à saída de uma reunião com António Costa.