Jerónimo Martins interessada em comprar cadeia de retalho romena

A Profi conta com 400 lojas e um volume de negócios anual de 565 milhões de euros. Venda estará avaliada em 450 a 500 milhões de euros.

A Jerónimo Martins estará interessada em comprar a Profi, a cadeia de distribuição líder da Roménia. A notícia é avançada por meios de comunicação romenos e polacos, que referem que o interesse é manifestado pela Biedronka, cadeia de retalho polaca que pertence à Jerónimo Martins.

O ECO tentou entrar em contacto com a Jerónimo Martins para confirmar o interesse, mas, até ao momento, não obteve resposta. Ao Jornal de Negócios, a retalhista refere apenas que “não comenta potenciais operações de fusão e aquisição”. A confirmar-se, a venda estará avaliada entre os 450 e os 500 milhões de euros.

A Profi é a maior cadeia de supermercados discount da Roménia, e tem 439 lojas e um volume de negócios anual de 573 milhões de euros (no final de 2015). Este ano, de acordo com o site Romenia Insider, este valor pode disparar para 780 milhões de euros e o objetivo passa por chegar às 500 lojas. O fundo de investimento polaco que detém a totalidade do capital da Profi, o Entreprise Investors, colocou recentemente a empresa à venda e os acionistas esperam receber propostas até ao final deste ano e concluir a operação ainda no início de 2017.

Além da Jerónimo Martins, também um grupo turco e outro da zona do Báltico estarão na corrida pela retalhista romena. O Romenia Insider adianta ainda que o CVC Capital, fundo que vendeu recentemente o negócio da Fórmula 1 por 4,5 mil milhões de euros, estará interessado na Profi.

Se a retalhista portuguesa comprar a Profi, passa a operar em três países europeus – além de Portugal, a dona do Pingo Doce tem presença na Polónia. Os analistas do BPI, que acompanham o desempenho das ações da Jerónimo Martins, acreditam, contudo, que a prioridade da retalhista deveria ser a Ara, a cadeia de supermercados que detém na Colômbia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins interessada em comprar cadeia de retalho romena

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião