Índice Robin Hood. E se os mais ricos do mundo dessem as suas fortunas às startups?

  • Bloomberg
  • 23 Setembro 2016

Quantas empresas poderiam ser criadas se os empreendedores locais recebessem as fortunas dos mais ricos? A Bloomberg criou o Índice Robin Hood 2016 para analisar a questão.

Foram analisados os indivíduos mais ricos de 42 economias com diferentes regimes políticos e ambientes regulatórios para os negócios e comparado o seu património líquido com o custo do processo de criação de pequenas e médias empresas.

O índice mostra, hipoteticamente, quantas empresas podem ser criadas com o património líquido dos indivíduos mais ricos de cada país. Os números foram calculados usando dados do índice Bloomberg Billionaires e do relatório Doing Business 2016, do Banco Mundial. Os custos de criação de empresas foram expressados no relatório Doing Business original como percentagem da renda nacional bruta per capita.

O património líquido de Bill Gates ajudaria a criar 137.296 empresas a um custo de 605 dólares cada se distribuído entre os empreendedores locais dos EUA. Isso provocaria enormes implicações no mercado de trabalho. Nos EUA, as pequenas empresas têm contribuído para a maior parte do crescimento dos empregos, com a geração de 1,4 milhão de novos empregos em 2014, segundo a Administração de Pequenos Negócios norte-americana.

Os empreendedores da China, o país mais populoso do mundo, conseguiriam colocar mais empresas em funcionamento do que em qualquer outro país – 596.303, exatamente – graças a Wang Jianlin, da Dalian Wanda Group, cuja história de vida serve de inspiração para empreendedores iniciantes. Na China, contudo, a corrupção e a burocracia ainda representam obstáculos para as novas empresas.

indice_robin_hood_startups

Os custos mais elevados para criar um negócio estão na Coreia do Sul e nos Emirados Árabes Unidos – onde a menor quantidade de negócios seria criada, 2.971 e 2.345 respetivamente, segundo o Índice Robin Hood.

O índice leva em conta apenas as despesas processuais. Há muitos outros fatores para calcular, como custo de mão-de-obra, rendas, para nomear alguns. Outros custos são difíceis de quantificar, como burocracia, corrupção implícita, cumprimento de contratos jurídicos e mais, que também são críticos para tirar um negócio do papel.

Contudo, como um exercício intelectual, é possível imaginar o que os campeões de 42 países, com uma fortuna estimada de 756 mil milhões – 1% do PIB mundial de 2016 -, podem fazer com o próprio dinheiro que o governo e as agências não podem.

O índice é uma adaptação de um trabalho original do Banco Mundial. As visões e opiniões expressadas na adaptação são unicamente de responsabilidade do autor ou dos autores da adaptação e não são endossadas pelo Banco Mundial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Índice Robin Hood. E se os mais ricos do mundo dessem as suas fortunas às startups?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião