Bancos avaliam as casas ao preço mais alto desde o final de 2011

Avaliação do preço das casas sobe pelo quinto mês consecutivo. Algarve puxa pelos valores que atingiram um novo máximo.

O preço a que os bancos avaliam as casas na altura de conceder crédito registou um novo máximo. Os dados do “Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação” divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que a avaliação bancária dos imóveis se situou num valor médio de 1.073 euros por metro quadrado, em agosto. O valor médio definido nesse mês, representa um aumento de cinco euros face aos 1.068 euros fixados no mês anterior e de 37 euros por metro quadrado acima do registado no período homólogo, é também o mais elevado desde dezembro de 2011, altura em que a avaliação bancária das casas se situou nos 1.074 euros por metro quadrado.

Agosto foi ainda o quinto mês consecutivo que este indicador apresentou um crescimento, o que ilustra a recuperação do mercado de crédito e sinaliza também a maior abertura dos bancos para financiar a aquisição de imóveis. De salientar que este indicador é fundamental para quem está a tentar comprar casa com recurso ao crédito à habitação. É com base nos valores definidos na avaliação bancária que os bancos estipulam as condições de financiamento, como spreads ou o montante máximo que estão dispostos a emprestar. Quanto maior for o valor da avaliação do imóvel face ao pedido de crédito apresentado, melhores serão as condições concessão por parte da banca.

O INE justifica que essa evolução se deve sobretudo ao aumento dos preços de avaliação registado na região do Algarve, que passou de um valor médio de avaliação de 1.330 euros por metro quadrado, em julho, para 1.376 euros por metro quadrado em agosto. “Todas as restantes regiões, à exceção do Centro, apresentaram também variações em cadeia positivas”, realça também o instituto de público de estatísticas.

De forma desagregada por tipo de imóvel, o preço médio da avaliação dos apartamentos cresceu oito euros, para os 1.117 euros por metro quadrado em agosto. Em termos regionais, o Algarve e a Região Autónoma dos Açores foram onde os crescimentos foram mais dilatados. Já nas moradias, o valor médio de avaliação bancária passou de 994 euros por metro quadrado para 999 euros por metro quadrado, o que representa um aumento de cinco euros. Por regiões, “com exceção das regiões do Centro e Região Autónoma dos Açores (diminuição de nove euros por metro quadrado e um euro por metro quadrado, para valores médios de 857 euros por metro quadrado e 952 euros por metro quadrado, respetivamente, todas as regiões apresentaram crescimento do respetivo valor médio de avaliação”, conclui o INE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos avaliam as casas ao preço mais alto desde o final de 2011

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião