Ataque informático pode custar mais de meio milhão de euros às empresas

  • Ana Luísa Alves
  • 27 Setembro 2016

Estudo da Kaspersky Lab revela que um incidente de segurança informática pode custar, em média 765 mil euros às grandes empresas.

A empresa de segurança informática Kaspersky concluiu que um incidente de segurança online pode custar às grandes empresas, em média, cerca de 765 mil euros. Se o problema de segurança online só for descoberto semanas depois, as grandes empresas pagam cerca de 27% mais. E as pequenas e médias empresas (PME), para as quais os custos são ainda maiores, podem ainda pagar 44% mais. Ou seja, quanto maior for o problema e quanto mais tarde for identificado, maior poderá vir a ser o custo de recuperação.

No relatório, intitulado “Medindo o impacto financeiro da segurança cibernética nas empresas”, a Kaspersky comparou pela primeira vez o orçamento destinado à proteção informática e os prejuízos existentes com problemas de segurança online. As pequenas empresas destinam cerca de 18% do seu orçamento total para a segurança, enquanto as grandes empresas lhe atribuem 21%. É expectável que, nos próximos três anos, os orçamentos para a segurança das grandes empresas cresçam pelo menos 14%.

Quanto ao valor de recuperação, a Kaspersky pediu às empresas que fizessem um relatório com os prejuízos resultantes dos gastos mais elevados com perdas de oportunidades de negócio, melhoria da segurança das tecnológicas e contratação de especialistas externos e novos colaboradores. A conclusão é que as empresas gastam aproximadamente 70 mil euros em formação e 75 mil euros com a ajuda de especialistas externos, o que se converte depois em 19% do prejuízo.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ataque informático pode custar mais de meio milhão de euros às empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião