Congressista alertou secretário da Defesa dos EUA sobre “provável” uso das Lajes pela China

  • Lusa
  • 29 Setembro 2016

O congressista lusodescendente Devin Nunes avisou o secretário da Defesa dos Estados Unidos que "é provável" que as instalações da Base das Lajes "acabem na posse do governo chinês".

“Como muitos no Congresso avisaram no passado, vários altos-representantes chineses visitaram os Açores em anos recentes. Sei agora que a China enviou uma delegação de cerca de 20 representantes, todos fluentes em português, numa viagem de pesquisa que durou semanas e que culmina com a visita do primeiro-ministro, Li Keqiang“, disse Devin Nunes numa carta enviada a Ashton Carter na semana passada. A informação foi confirmada hoje à Lusa por uma fonte do Congresso norte-americano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, encontrou-se com o primeiro-ministro chinês na segunda-feira na ilha Terceira, Açores, mas disse que o encontro servia para preparar a visita do primeiro-ministro de Portugal, António Costa, à China e que não tinha “agenda escondida.”

"A delegação chinesa é indicada como estando em negociações para expandir os seus investimentos e presença nas ilhas, incluindo o porto de mercadorias na Terceira, e que também expressaram interesse em utilizar a pista aérea da Base das Lajes”

Devin Nunes, congressista norte-americano de origem açoriana

O presidente da Comissão de Serviços de Informação da Câmara dos Representantes, a câmara baixa do Congresso dos Estados Unidos, explica que “a China tem espalhado a sua influência através de investimentos em infraestruturas semelhantes em Djibouti, no Sri Lanka, e em outras partes do mundo”.

“Está agora a usar as mesmas táticas para estabelecer um ponto de apoio nos Açores, o que, se for bem-sucedido, será usado como um centro de informações e logística que, no limite, pode ser expandido para usos militares, junto de estruturas criticas aos militares americanos”, avisou Devin Nunes na carta.

Em julho de 2014, o Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, esteve na ilha Terceira durante cerca de oito horas, numa escala entre o Chile e Pequim, em que aproveitou para se reunir com o então vice-primeiro-ministro de Portugal, Paulo Portas.

Já em 2012, tinha estado na ilha o primeiro-ministro chinês da altura, Wen Jiabao, acompanhado por uma comitiva de mais de 100 pessoas, numa escala técnica entre o Chile e a China, que demorou cerca de cinco horas.

Em junho deste ano, o presidente do Governo Regional dos Açores, recebeu, em Ponta Delgada, o ministro do Mar da China, Wang Hong, que destacou o potencial dos Açores na área do mar.

Todos estes encontros aconteceram depois de os Estados Unidos anunciarem a redução da sua presença militar na Base das Lajes.

“Estamos, efetivamente, a desinvestir de mil milhões de dólares em infraestruturas nas Lajes, que é provável que acabem na posse do governo chinês”, concluiu Devin Nunes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Congressista alertou secretário da Defesa dos EUA sobre “provável” uso das Lajes pela China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião