Em breve a comida pode ir até sua casa. De Uber

Ainda não é desta que chega a Portugal mas, se for em viagem a Amesterdão, já pode utilizar a UberEats. Este é o foco da empresa atualmente.

A Uber está a expandir o negócio de entrega de comida a casa. A empresa norte-americana está a fazer recrutamento para iniciar a UberEats em pelo menos 22 países. Entre eles estão cidades europeias como a Bélgica, a Holanda e a Suécia. O ECO soube que, para já, não está prevista a chegada deste serviço a Portugal.

A primeira cidade a receber o serviço foi Amesterdão, onde foi introduzido esta quinta-feira. Além disso, Joanesburgo, o Dubai e certas áreas de Tóquio também vão receber a UberEats. Como consequência, a Reuters reportou que os sites de recrutamento da Uber têm 150 propostas de trabalho para constituir equipa.

Eu sinto definitivamente que este é o nosso foco mais importante dentro da organização [Uber]

Simon Rossi, ‎diretor-geral do departamento asiática da UberEats

Em breve, segundo o Financial Times, o serviço deve chegar à Alemanha, Itália, Suíça, Áustria, Dinamarca e à Península Ibérica, mas só a Espanha. A UberEats foi lançada ainda em 2014, na Califórnia, mas os portugueses ainda vão ter de esperar até usufruir do serviço.

A ideia do serviço é levar a casa, num período de até 35 minutos, uma refeição. O próximo desafio da Uber em cada cidade é encontrar cadeias de restauração parceiras. A aplicação tem uma utilização semelhante à app base da Uber, com o acréscimo de selecionar o restaurante e a comida que quiser. Há ainda uma funcionalidade chamada Instant Delivery que faz a entrega no período de 10 minutos, mas só para refeições pré-feitas.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em breve a comida pode ir até sua casa. De Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião