14 medidas simples para reduzir emissão de carbono

  • ECO + National Geographic
  • 24 Novembro 2016

Todos temos um papel crucial na questão das alterações climáticas. Aqui são apresentadas algumas medidas simples que todos podemos começar a implementar no nosso dia-a-dia.

Todos temos um papel crucial na questão das alterações climáticas. Aqui são apresentadas algumas medidas simples que todos podemos começar a implementar no nosso dia-a-dia para reduzir o impacto e a emissão de carbono para a atmosfera.

EM CASA

Assegurar que as suas luzes são eficientes. As luzes LED consomem menos 80% de energia que as tradicionais lâmpadas incandescentes;

Substituir antigos aparelhos como frigoríficos, máquinas de lavar roupa, aquecedores e secadores, por modelos mais inteligentes e certificados;

Ajustar o termóstato para cima em meses mais quentes e para baixo em meses mais frios, especialmente quando não está em casa;

Usar água fria para lavar roupa;

Fazer reciclagem. A EPA (Environmental Protection Agency) estima que ao reciclarmos vidro, alumínio, plástico e papel poderemos reduzir a emissão de carbono até 264 quilos por ano;

– Considerar adquirir painéis solares para sua casa.

NA ESTRADA

Poupar na gasolina com carros elétricos, híbridos ou super eficientes;

Maximizar a eficiência e uso do gasóleo, independentemente do modelo do carro: manter os pneus cheios, evitar acelerar, não usar sobrecarga na bagageira – e, acima de tudo, evitar conduzir quando podemos ir a pé, de bicicleta, de boleia ou de transportes públicos;

Reduzir os tempos de voo sempre que possível e lembrar que os lugares em primeira classe têm uma pegada de carbono maior do que os lugares em económica;

Comprar compensações de carbono – essencialmente financiar/ajudar projetos que ajudam a compensar o carbono que planeamos emitir.

NA LOJA

Comprar menos carne e optar por fontes mais sustentáveis;

Levar os próprios sacos reutilizáveis para as compras;

Reduzir o consumo de água engarrafada e outras bebidas de pacote. Em geral, impulsionar a produção/procura de mais plástico significa estar a fazer o mesmo pelos combustíveis fósseis. Temos de considerar o impacto global de adquirirmos cada vez mais coisas. Um estudo descobriu que uma grande parte da poluição na China estava associada aos produtos fabricados para exportação.

Saiba mais na National Geographic.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

14 medidas simples para reduzir emissão de carbono

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião