Nova série explora alterações climáticas

  • ECO + National Geographic
  • 24 Novembro 2016

Com estreia marcada para 24 de novembro, no NGC, ‘Years of Living Dangerously’ aborda temas relacionados com o ambiente e as alterações climáticas sob a perspectiva de celebridades.

Com estreia marcada para o próximo dia 24 de novembro, no NGC, ‘Years of Living Dangerously’ vai abordar diversas temáticas relacionadas com o ambiente e as alterações climáticas através do olhar, testemunho e questões de várias celebridades de Hollywood.

Durante os oito episódios que compõem esta série documental David Letterman e Cecily Strong focam as suas preocupações no que diz respeito à energia solar e outras soluções energéticas renováveis enquanto Jack Black e Ian Sommerhalder estudam e investigam os efeitos destrutivos consequência da subida do nível da água. Mas se uns sítios estão ameaçados pela subida das águas, outros estão a enfrentar uma forte seca. Don Cheadle e Tom Friedman mostram como a falta de água em algumas zonas de África e na Califórnia estão a afetar comunidades e as produções agrícolas.

Outro efeito catastrófico das alterações climáticas é a deflorestação contínua de um dos pulmões do nosso planeta. Para mostrar este flagelo, Gisele Bundchen faz uma viagem pela floresta Amazónica ao mesmo tempo que Arnold Schwarzenegger vai até uma das zonas mais ricas em petróleo para tentar descobrir o porquê da relutância de uso de combustíveis renováveis por parte dos governos. Continuando no lado mais político, Bradley Whitford examina os esforços para um consenso em Capitol Hill de que o aquecimento global é um assunto crítico. Na sua jornada ele aprende como fazer lobby com políticos relutantes. E, Ty Burrell faz-se à estrada para investigar o futuro do estilo de vida americano e o uso de automóveis.

Joshua Jackson viaja até à Great Barrier Reef para mostrar em primeira mão os efeitos das alterações climáticas nos oceanos, mostrando os impactos sociais e económicos que estas alterações podem ter nas pessoas.

Outras vítimas das alterações climáticas do nosso planeta são os animais. Aasif Mandvi começa uma jornada para perceber como é que estas alterações estão a levar ao desaparecimento de várias espécies de animais à medida que Nikki Reed descobre que uma das soluções para travar esta calamidade é colocar um preço sobre o carbono.

O último episódio foca-se na principal causa das alterações climáticas: o carvão. Sigourney Weaver viaja até à China, um dos maiores centros urbanos de poluição e emissão de carbono enquanto America Ferrera visita uma pequena cidade do Midwest nos Estados Unidos onde os seus habitantes se tornaram em grandes ativistas. Será que as duas grandes economias mundiais vão conseguir trabalhar juntas por um futuro mais verde?

Saiba mais na National Geographic.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova série explora alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião