Um Novo National Geographic para o levar mais além

  • ECO + National Geographic
  • 30 Novembro 2016

“Mais Além”. É esta a nova tagline da marca, que espelha a filosofia de uma marca que há 128 anos contribui para o derrubar das fronteiras do conhecimento.

É uma das marcas mais antigas do mundo. Há 128 anos que a National Geographic constrói um legado que tem contribuído para o alargar dos horizontes da humanidade. Desde a sua génese, e convém aqui lembrarmos que o próprio Alexander Bell foi o segundo presidente da instituição, que a National Geographic Society trabalhou de perto com cientistas e inventores, exploradores e contribuiu como poucas instituições para o enriquecimento do conhecimento académico.

Em Portugal há 15 anos com a edição portuguesa da revista e com o canal, a National Geographic tem trazido para o universo nacional os valores que a caracterizaram ao longo de quase 130 anos de história. Exploração, Conservação e Educação, os três pilares de uma marca que há década e meia põe Portugal a participar no diálogo global proporcionado por uma revista com uma circulação global de 6.4 milhões em 40 línguas e de um canal distribuído em 171 países, em 45 línguas, chegando a 440 milhões de lares.

A National Geographic tem acima de tudo, na sua génese, a vontade imensa de contar histórias sobre o mundo que vivemos: a história dos Homens e mostrar-nos o que fomos e o que podemos ser; a história das espécies em perigo, revelando e ajudando-nos a proteger as criaturas com quem dividimos o mundo; a história da Terra, fazendo-nos entender os complexos e interligados sistemas do nosso planeta em permanente evolução; a história das novas fronteiras; provando que não há fronteiras que não sejamos capazes de conquistar recorrendo às mais recentes tecnologias para chegar a lugares nunca antes visitados e encontrar a resposta a perguntas milenares.

Também em Portugal a National Geographic tem apoiado diversos projetos de investigação através de bolsas atribuídas a portugueses que trabalham em projetos no nosso país e no estrangeiro. Portugal faz parte também de alguns dos grandes projetos desenvolvidos pela Sociedade a nível global, como é o caso do Pristine Seas focado na identificação e proteção de habitats marinhos que não foram ainda perturbados pela ação do homem. Este projeto abarca o estudo das Ilhas Selvagens, onde um polo de cientistas internacionais tem estado a observar a fauna e flora únicas do local.

Uma nova estrutura, para levar a marca Mais Longe

Há cerca de um ano a National Geographic anunciou a criação de uma joint-venture com a 21st Century FOX, a National Geographic Partners, que passou a reunir todas as plataformas de conteúdo National Geographic, numa única empresa. A National Geographic Partners tornou-se assim uma empresa de media multiplataforma com um objetivo filantrópico: 27% dos seus lucros revertem diretamente para a Sociedade para que esta continue a criar um círculo virtuoso de storytelling e filantropia baseado num compromisso em desenvolver a ciência, conservação e exploração. Com esta operação, a marca estabeleceu um alcance global sem paralelo, impactando mais de 730 milhões de consumidores todos os meses.

A assinatura “Mais Além” reflete assim o reforço da chancela National Geographic junto do público, seja através das revistas, dos canais ou da atividade da Sociedade, agora unidos mais do que nunca na prossecução de um propósito comum. Através do apoio único a exploradores, cientistas, educadores, fotógrafos e outros contadores de histórias, a marca aspira a construir uma comunidade global de exploradores e aprendizes. E nada reflete essa ambição melhor do que a vontade de querer ir sempre “Mais Além”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um Novo National Geographic para o levar mais além

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião