E por falar em empreendedorismo. Conheça o Prémio de Voluntariado Universitário

  • ECO + Santander Totta
  • 2 Dezembro 2016

O Banco Santander Totta, através do programa Santander Universidades, promove, desde 2003 e no âmbito da sua política de envolvimento com a comunidade, o apoio ao conhecimento e ensino superior.

Em 2016, com o objetivo de incentivar a prática de uma cidadania ativa através do voluntariado e recompensar o esforço dos jovens mais envolvidos, o Santander Universidades lança o Prémio de Voluntariado Universitário, que visa reconhecer os projetos de voluntariado promovidos por estudantes do Ensino Superior, com benefícios para a sociedade e igualmente para o desenvolvimento das suas competências pessoais.

Destaques:

  • O Prémio de Voluntariado Universitário pretende reconhecer os projetos de voluntariado promovidos por estudantes do Ensino Superior
  • Os prémios monetários para o desenvolvimento do projeto são de 5.000€, 3.000€ e 2.000€, respetivamente para o 1.º, 2.º e 3.º lugares

Objetivos:

O prémio pretende apoiar o desenvolvimento e distinguir as melhores práticas de voluntariado universitário, concorrendo para:

  • Contribuir para uma sociedade mais justa e equitativa através da sensibilização e divulgação do voluntariado junto de todo o coletivo do ensino superior.
  • Promover o voluntariado como exercício de responsabilidade social e cidadania ativa, com benefícios para a sociedade e igualmente para o desenvolvimento das suas competências pessoais;
  • Valorizar e divulgar as melhores práticas de voluntariado universitário que contribuam para o desenvolvimento do terceiro setor.

Candidatos

Podem candidatar-se ao presente prémio os jovens universitários que participem em iniciativas organizadas de modo, formal ou informal, e que respeitem as seguintes condições:

  1. Promovam atividades de voluntariado em território nacional;
  2. Tenham experiência comprovada de, pelo menos, um ano em atividades de voluntariado;
  3. Representem ou sejam representadas por uma entidade legalmente constituída;
  4. Estejam enquadradas, diretamente ou por via de uma Associação Académica, numa Instituição de Ensino Superior;

O Banco Santander Totta apoia alguns projetos de Voluntariado Universitário que já estão a ser implementados, tais como: o SolidarISA, Saúde Porta a Porta, Hospital da Bonecada e Marca Mundos, entre outros.

Conheça três projetos de voluntariado universitário já em curso e que servem de exemplo para o tipo de iniciativas que o Banco Santander Totta pretende apoiar:

O projeto ‘SolidarISA’ dos Estudantes do Instituto Superior de Agronomia; o projeto Saúde Porta a Porta da Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa; e Voluntariado na Universidade, o caso da Universidade do Porto. Estes projetos têm o apoio do Santander Universidades.

1) SolidarISA

O projeto de solidariedade “SolidarISA” teve início em 2011 com o objetivo de ajudar os mais necessitados, aproveitando os recursos do Instituto Superior de Agronomia. Tem como finalidade reverter os benefícios resultantes de cada atividade agrícola a desenvolver nos terrenos do ISA, quer sejam bens alimentícios ou dinheiro resultante da venda dos produtos finais, para o Banco Alimentar. Desde o lançamento e até ao final do corrente ano, o valor da entrega de bens atingirá cerca de 50 mil euros, repartidos entre grão (19.135 euros), Trigo – para esparguete (15.750 euros) e couves (14.400 euros). A área cultivada já atinge os 7,5 ha.

O projeto assenta portanto em dois grandes alicerces:

  • Cariz educacional – desafia os alunos do Instituto a colocarem em prática os conhecimentos adquiridos ao longo dos seus anos de formação;
  • Cariz solidário – toda a produção resultante das atividades agrícolas levadas a cabo pelo projeto é entregue ao Banco Alimentar contra a Fome e a quem mais precisa!

O “SolidarISA” é um projeto integrado no Instituto Superior de Agronomia, funcionando como atividade escolar, permitindo aos alunos porem em prática as matérias leccionadas no âmbito das licenciaturas.

2) Saúde Porta a Porta

O Saúde Porta a Porta (SPAP) é um projeto de voluntariado desenvolvido pela AEFCM-Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa.

Um dos seus principais propósitos é colmatar as lacunas existentes no acesso aos cuidados básicos de saúde da população idosa mais carenciada da área de Lisboa, promovendo o seu bem-estar físico e mental. Assente no conceito de voluntariado universitário, este projeto procura enriquecer a formação médica dos estudantes dos anos clínicos da NMS|FCM, do ponto de vista do desenvolvimento das capacidades clínicas, bem como das relações interpessoais e sociais.

O programa inclui visitas semanais a idosos em situação de carência de saúde ou socioeconómica, devidamente referenciados pelos serviços de ação social das juntas de freguesia associadas ao projeto. (Campo de Ourique e Estrela).

O público-alvo são os estudantes dos anos clínicos da NMS|FCM, isto é, do 3º ao 6º ano. Neste momento, existe um total de 79 voluntários inscritos, fazendo face às necessidades de 37 idosos referenciados pelas Juntas de Freguesia parceiras.

3) Voluntariado na Universidade do Porto

Consciente da sua responsabilidade social na promoção do bem comum e de uma maior justiça social, a Universidade do Porto apoia e promove, centralmente e através das suas Faculdades, diversas atividades de voluntariado especialmente vocacionadas – ainda que não exclusivamente – para a participação da comunidade académica.

O número de voluntários tem vindo a aumentar, tendo passado de cerca de 1.600 em 2012/13 para mais de 2000 em 2015/16.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

E por falar em empreendedorismo. Conheça o Prémio de Voluntariado Universitário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião