As três prendas de Natal de Cristas para Costa

  • Marta Santos Silva e Margarida Peixoto
  • 22 Dezembro 2016

A dirigente do CDS/PP surpreendeu no debate quinzenal ao presentear o primeiro-ministro com um kit para governar melhor. Mas António Costa não se deixou ficar.

Em vésperas de Natal, o último debate quinzenal de 2016 teve uma surpresa: Assunção Cristas trouxe “presentes” a António Costa, e este reagiu com uma proposta do que ofereceria à dirigente do CDS-PP se tivesse vindo preparado.

Na sua intervenção, Assunção Cristas fez surgir uma caixa de onde tirou três “presentes” para o primeiro-ministro: primeiro, “um par de óculos, porque às vezes vê as coisas desfocadas”; depois, “um soro da verdade, para ver as coisas mais objetivas” e por fim, atado com um laçarote vermelho e dourado, mostrou um molho de folhas: “As propostas do CDS.”

António Costa reagiu com sentido de humor, começando por agradecer os presentes, e sugerindo depois uma troca: “Tenho pena de não ter vindo com um presente, porque lhe teria trazido um retrovisor para poder ver bem o seu passado”.

“Se confrontasse o seu passado com o Orçamento do Estado para 2017 e visse como, no OE 2017, depois de quatro anos em que paralisaram o investimento nas escolas, na saúde, nos serviços sociais, não só aumentámos em 22% o investimento público como o direcionámos para onde ele deve ser direcionado”, disse o primeiro-ministro, em resposta à preocupação expressa por Assunção Cristas, na sua intervenção, acerca das escolas que precisam de obras. “O Orçamento do Estado prevê obras em mais de 200 escolas”.

No tempo que lhe era alocado para responder, António Costa aproveitou ainda para provocar a bancada do PSD. “Deverá também o deputado Montenegro fazer uma gracinha de Pai Natal para ver se consegue competir” com Assunção Cristas, disse o primeiro-ministro. Confrontado com os apupos dos deputados do PSD, insistiu na troça, apontando a blusa laranja da dirigente do CDS/PP para dizer que esta se tinha vestido para agradar aos social-democratas.

A seguir à intervenção do primeiro-ministro, a bancada do PSD pediu a palavra para criticar que António Costa usasse o seu tempo para “picar” o PSD e não para responder às interpelações dos partidos, mas a mesa respondeu que o responsável pelo que diz é o detentor do direito à palavra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As três prendas de Natal de Cristas para Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião