Brexit trava investimento imobiliário em Portugal em 2016

O investimento no mercado imobiliário português desceu em 2016, face ao ano anterior, mas as perspetivas são positivas para o futuro: em 2017 deve chegar aos dois mil milhões de euros.

Numa altura em que se questiona a formação de uma nova bolha no imobiliário português, esta quarta-feira foi revelado que o investimento no imobiliário comercial, em Portugal, sofreu a primeira queda desde 2012. A informação foi dada numa conferência em Lisboa por Eric van Lauven, managing partner da norte-americana Cushman & Wakefield, segundo a Bloomberg.

O investimento no imobiliário comercial desceu dos 1,3 mil milhões de euros em 2016 face aos 1,9 mil milhões de euros investidos no imobiliário português em 2015. Esta foi a primeira descida do investimento imobiliário em Portugal desde 2012, de acordo com os dados da Bloomberg. Cerca de 82% dos negócios em 2016 pertenceram a investidores estrangeiros.

O mercado continua robusto, mas Eric van Lauven avisa que “alguns investidores fizeram uma pausa [nos investimentos imobiliários] depois do voto no Brexit“. Assim, alguns desses novos negócios que estavam previstos para o final de 2016, só vão ser fechados no início de 2017. Lauven espera, por isso, um forte começa do ano em termos de acordos de negócio: existem negócios de mais de um mil milhão de euros com um “forte probabilidade” de serem fechados, avisou.

As perspetivas em 2017 é que o mercado imobiliário em Portugal recupere da queda em 2016, ultrapassando a marca de 2015 e chegando aos dois mil milhões de euros em investimento.

Editado por Mónica Silvares

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit trava investimento imobiliário em Portugal em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião