Novo Banco: PSD contra nacionalização acusa Governo de desvalorizar ativo

  • Lusa
  • 12 Janeiro 2017

Social-democratas acusam Executivo de Costa de "desvalorizar ativo".

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, acusou hoje o Governo de estar a desvalorizar o Novo Banco, e reiterou que o partido não defenderá a nacionalização de nenhuma entidade bancária.

“O PSD nunca defendeu nem defenderá a nacionalização de uma entidade bancária, é isso que fizemos no passado e é isso que tornaremos a fazer”, afirmou Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas no final da reunião da bancada social-democrata.

O presidente do grupo parlamentar do PSD acusou ainda o Governo de desrespeitar o parlamento ao não informar os deputados sobre o andamento do processo de venda do Novo Banco, dizendo que o mesmo aconteceu no dossiê da Caixa Geral de Depósitos.

“A informação chega à Assembleia da República apenas e só pelo trabalho dos órgãos de comunicação social, por notícias que só podem ter por fonte o Governo e seus agentes”, lamentou, afirmando que a estratégia do executivo, e em particular do ministro das Finanças, tem sido de “confusão total”.

“Há poucos dias, o ministro das Finanças [Mário Centeno] veio defender que o banco devia ser vendido, quando o mesmo ministro há alguns meses atrás acenou com a possibilidade de nacionalização ou mesmo de liquidação do banco”, salientou.

Para Luís Montenegro, “quem quer vender, como ele diz que quer, não anda a acenar com a possibilidade de nacionalizar ou liquidar, porque só isso retira valor”, reiterando uma acusação já lançada pelo PSD de que o Governo tem agido “como um pirómano” no processo do Novo Banco.

“O PSD foi sempre favorável à venda deste ativo, era bom para Portugal que o ativo não estivesse a ser desvalorizado pela confusão lançada pelas declarações do ministro das finanças”, referiu.

Em declarações ao jornal Público, o ex-presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, que já admitiu uma candidatura à liderança do PSD, defendeu uma nacionalização temporária do Novo Banco perante as propostas de compra que têm estado em cima da mesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: PSD contra nacionalização acusa Governo de desvalorizar ativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião