Startup portuguesa distinguida como uma das melhores do mundo

  • Leonor Rodrigues
  • 12 Janeiro 2017

A Viable está nomeada para os MBA Awards 2016, um prémio que distingue os melhores projetos empreendedores do mundo saídos de um MBA.

Há uma startup portuguesa nomeada para os MBA Entrepreneurial Venture Awards 2016: a Viable Report. Os galardões distinguem os melhores projetos de empreendedorismo do mundo saídos de um MBA e é a segunda vez que uma empresa portuguesa está nomeada.

Manuel Azevedo Coutinho e o espanhol Jaime Parodi Bardón são os fundadores da Viable Report, uma ferramenta online que ajuda os investidores a encontrar, avaliar e selecionar automaticamente as startups empreendedoras utilizando uma série de parâmetros de avaliação e poupando tempo e dinheiro ao mesmo tempo que maximiza as oportunidades.

“A ideia para a Viable surgiu durante o The Lisbon MBA após um estágio feito na empresa de comércio eletrónico Gleam. Foi aí que vi que a quantidade de projetos que era preciso avaliar consumia demasiado tempo e recursos à empresa”, conta Jaime Parodi Bardón, CEO da startup. “Convidei o Manuel, um colega do MBA, para juntos lançarmos a Viable. É, por isso, muito relevante para nós vermos o nosso projeto ser reconhecido pelos prémios da AMBA [Association of MBAs]”, acrescenta.

viable-amba_leve

De acordo com Anabela Possidónio, diretora executiva do The Lisbon MBA, refere que esta é a segunda vez que um projeto saído do programa português é distinguido pela AMBA “como um dos melhores do mundo. É, para nós, um grande motivo de orgulho ver o talento e qualidade dos nossos alunos e ex-alunos reconhecido por entidades internacionais”.

O vencedor dos MBA Awars 2016 vai ser conhecido na próxima semana, a 20 de janeiro, em Londres (Reino Unido).

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup portuguesa distinguida como uma das melhores do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião