PO Norte aprovou mais de 900 milhões para a região

  • Lusa
  • 20 Janeiro 2017

A CCDR-N, entidade gestora do Norte 2020 aprovou, desde 2015, mais de 900 milhões de euros de fundos comunitários.

O programa operacional Norte 2020 aprovou, desde 2015, mais de 900 milhões de euros de fundos comunitários para cerca de 2.500 projetos destinados ao desenvolvimento da região, divulgou hoje a autoridade de gestão.

Segundo dados hoje divulgados, foram aprovados no final de 2016 cerca de 372 milhões de euros para projetos de dinamização industrial da região, indica em comunicado a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

A CCDR-N, entidade gestora do Norte 2020, explica ainda terem sido aprovados nesta rubrica cerca de “323 novos investimentos na construção ou ampliação de novas fábricas, para a instalação de novas linhas de produção”.

No final de 2016 o apoio do programa destinado a investimentos públicos começou também “a chegar à economia”, atingindo os 122 milhões de euros para 122 projetos, indica a CCDR-N que destaca os “projetos ligados à investigação científica e tecnológica, educação e formação avançada, promoção da saúde e do património natural e cultural”.

Desde o primeiro concurso, lançado em 17 de março de 2015, foram aprovados até 31 de dezembro 2.472 projetos, que representam um apoio de 902 milhões de euros de fundos estruturais.

Só para a Área Metropolitana do Porto foram aprovados 480,5 milhões de euros relativos a 1.296 projetos.

Em termos de entidades intermunicipais, o segundo lugar é ocupado pelo Ave com 112,8 milhões de euros destinados a 361 projetos.

Em terceiro surge o Cávado com 104,3 milhões de euros de fundos comunitários destinados a apoiar 340 projetos.

O último lugar é ocupado pelo Alto Tâmega que até ao final de 2016 conseguiu apenas ver aprovados cerca de dez milhões de euros para 30 projetos.

Gerido pela CCDR-N, e aprovado em dezembro de 2014, o Norte 2020 conta com 3,4 mil milhões de euros de verbas comunitárias, sendo que quase metade do valor (1,26 mil milhões de euros) se destina à competitividade de micro e pequenas empresas da região.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PO Norte aprovou mais de 900 milhões para a região

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião