Custo da dívida a sete anos quase duplica… oito meses depois

Portugal tem vindo a pagar mais para se financiar. E no primeiro leilão de longo prazo do ano, a tendência manteve-se. A taxa obtida no prazo a sete anos foi quase o dobro da registada há oito meses.

No financiamento de curto prazo, Portugal até ganha dinheiro com emissões feitas a juros negativos. Mas nas operações de longo prazo os custos estão cada vez mais elevados. Depois da taxa de mais de 4% por títulos a dez anos, o país pagou agora um juro de 3,668% por dívida a sete anos, praticamente o dobro do que tinha aceitado pagar há apenas oito meses.

O IGCP voltou ao mercado para o primeiro leilão de dívida do ano — a emissão a dez anos foi feita com recurso a um sindicato bancário. Colocou 1.180 milhões de euros, abaixo do máximo previsto de 1.250 milhões, com a maioria a ser emitida a cinco anos. A sete anos colocou 550 milhões de euros perante uma taxa de 3,668%.

Registou-se um agravamento expressivo face à última emissão comparável, realizada em novembro. Nessa altura, o IGCP aceitou pagar 2,817%, mas antes disso, em julho, a taxa foi de 2,355%. Um mês antes, neste mesmo prazo, o juro foi substancialmente inferior: 1,843%, ou seja, agora pagou praticamente o dobro.

Taxa na dívida a sete anos dispara

Fonte: IGCP

No caso dos títulos a cinco anos, a taxa também subiu. O IGCP colocou 630 milhões de euros no prazo mais curto, a cinco anos, em que a taxa ascendeu a 2,753%, de acordo com os dados citados pela Bloomberg — este juro compara com os 2,112% registados na operação idêntica realizada em novembro.

As taxas “ficaram em linha com o que está a ser feito no mercado secundário. Evidentemente subiram face às últimas emissões comparáveis. Tivemos uma procura muito razoável para um montante emitido que também ficou dentro das expectativas. As operações correram bem”, comenta Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

Tanto fruto dos receios dos investidores em torno do fim do programa de compras de dívida do Banco Central Europeu, como a indefinição política na Europa, mas também por problemas específicos de Portugal, os juros têm subido, tocando máximos de três anos. Os problemas na banca têm sido apontados pelos analistas como riscos para o país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custo da dívida a sete anos quase duplica… oito meses depois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião