Criação de empresas cai em Espanha. Mas não em Portugal

  • Rita Atalaia
  • 17 Abril 2017

A criação de empresas no país vizinho continua a cair. Espanha registou uma descida de mais de 4% no início do ano. E em Portugal? O número ainda aumenta, apesar de as insolvências dominarem.

A criação de novas empresas está a cair em Espanha. O país vizinho registou uma queda de mais de 4% no primeiro trimestre. O número de insolvências também aumentou, mantendo a tendência registada nos períodos anteriores. E em Portugal? Continuam a surgir novas empresas, apesar de a um ritmo mais lento. Foi no setor dos serviços que foi criado o maior número de empresas.

Espanha continua a não conseguir atrair a criação de novas empresas. Dados divulgados pelo Governo, e citados pelo Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol), mostram que foram constituídas 28.481 novas empresas no primeiro trimestre deste ano, o que representa uma queda de 4,3% em comparação com o mesmo período de 2016. Esta descida acompanha o aumento do número de insolvências, sobretudo na região autónoma da Cantábria e da Andaluzia.

Mas este cenário não se assemelha ao que acontece em Portugal, onde há sinais de recuperação. Segundo um estudo da empresa de informação empresarial Iberinform, a criação de empresas aumentou. Isto apesar de ter acontecido a um ritmo mais lento. Entre janeiro e março deste ano, o número cresceu 7,5%. E foi em Lisboa e no Porto que se registaram as subidas mais expressivas.

Criação de empresas continua a aumentar em Portugal

Fonte: Iberinform

Embora continuem a ser criadas novas empresas, o número de insolvências ainda está a aumentar. Estes processos aumentaram 25,8% em março. “O número total de empresas insolventes nos dois primeiros meses de 2017 é superior ao valor registado nos últimos dois anos (+13,4%)”, refere o mesmo estudo. O aumento mais significativo de insolvências regista-se, segundo o documento, no setor dos serviços e no comércio de veículos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criação de empresas cai em Espanha. Mas não em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião